segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Características de um Entrante


Já falei sobre os entrantes em dois artigos publicados neste blog. Em um deles, expliquei como este processo ocorre e quais são os propósitos dos construtores destas entidades.

É importante frisar que estes engenheiros utilizam tecnologia semelhante para fabricar clones energéticos, que vão funcionar como transmissores de todas as ações engendradas pelos magos negros e ETs, contra seres encarnados e desencarnados.

Já disse, também, que a utilização de entrantes é uma prática majoritariamente aplicada pelas entidades do universo-denso, com vistas a espionar ou controlar, mental e energeticamente, os seres da criação.

Falei, em um dos textos, que os seres pertencentes ao denso universo buscam produzir os seus entrantes artificiais, porque é mais seguro para eles, e à prova de falhas. No entanto, eles podem (quando querem) desprogramar alguma entidade, através de potentes computadores hipnóticos, para reprogramá-la com outros códigos e fixá-la no hospedeiro encarnado.

As mentes do universo-sutil utilizam processo semelhante, em menor escala, sempre com a autorização e participação dos envolvidos; ou seja, espíritos, avatares, mestres ascencionados, entre outros. Pois, não vêem necessidade de realizarem uma prática demasiadamente invasiva e complexa, tanto para quem entra quanto para quem sai. Quando eles o fazem é porque a situação exige de verdade; isto é, há perigo iminente de os humanos sofrerem algum revés no seu fluxo existencial.

Quero, entretanto, dar algumas pistas para que o leitor perceba se é um entrante, ou não. Obviamente, não significa que, em sendo um, você esteja a trabalhar para o mal, pois, cada criatura tem o seu papel na grande obra, que é quanticamente relativa.

Mesmo sendo do universo-denso, você pode estar aqui para contribuir, de acordo com os padrões Terráqueos. O contrário pode ocorrer, se você pertencer ao universo-sutil. Parece inverossímil, mas é a pura realidade. Repito, dentro dos padrões da Terceira Dimensão.

Existem setores dos universos mencionados (denso e sutil) responsáveis pela co-criação e manutenção da 3D: que é o ambiente dimensional (a)temporal e energético em que a Terra está inserida. A diferença entre eles está na escolha dos métodos e práticas para alcançar a ascensão, na concepção de cada lado.

Características de um Entrante:

1.Tem a sensação de não pertencer a este mundo;
2.Sente que possui uma missão a cumprir;
3.Sente medo de decepcionar os outros;
4.Tem fixação por assuntos cósmicos (universo, vidas em outros planetas, etc.);
5.Sonha, frequentemente, com lugares e seres estranhos (nunca vistos aqui na Terra)
6.Gosta de saber o que está acontecendo à sua volta;
7.Raramente desiste do que se propôs a fazer, mesmo tomando prejuízos;
8.Costuma ser desinteressado nas questões afetivas (amor, família, amigos);
9.É muito reservado, detestando se abrir aos outros;
10.Costuma ter poderes telepáticos e vidência;
11.Tem forte interesse por ocultismo (magia, hipnose, mediunidade, etc.);
12.Não quer viver por muito tempo na Terra;
13.Não gosta de multidões (isso o enfraquece energeticamente);
14.Costuma ser ríspido e inflexível nas suas opiniões;
15.Não gosta de expressar emoções;
16.Possui grande poder de sedução;
17.Alguns deles são exímios oradores;
18.Não gosta da água do mar, nem de chuva (causa descompensação);
19.Costuma falar olhando para cima, como se estivesse observando a cabeça da outra pessoa;
20.Alguns são frios, calculistas e pouco amigáveis;
21.Teve problemas emocionais e psicológicos (sem explicação plausível) entre os 11 e 15 anos de idade;
22.Perdeu, de maneira estranha, a memória por um período de 24 a 36 horas;
23.Sentiu fortes dores de cabeça ou tonturas intensas, sem causa médica diagnosticada, durante a infância e a adolescência, principalmente;
24. Não tem muitas lembranças da infância (brincadeiras, amigos, passeios, etc.)

Se você se enquadra em dez, ou mais, das características citadas acima, ocorridas simultaneamente, há uma forte probabilidade de ser um entrante. Observar tais peculiaridades, talvez, possa lhe ajudar a refletir melhor sobre as suas ações em relação a você e ao mundo.

Autor: Gesiel Albuquerque
Imagem copiada de: http://www.realidadeoculta.com/abducao.html

domingo, 30 de janeiro de 2011

Chaves de Ezequiel (II)

Segunda Chave: ez3:1-15-dd:30? 5=4

Disse-me: coma este rolo e avise ao povo do lugar onde você mora. Então abri a boca e ele me deu a comer o rolo. Disse-me: sacie a sua fome com este rolo que te dou. Então o comi; e tinha um sabor doce feito mel.

Avisou-me: eis que fiz duro o seu rosto contra os rostos deles. Fiz como esmeril a sua fronte, mais dura do que a pederneira. Não tenha medo deles, nem se assuste com suas fisionomias.

Programaram-me com o seguinte comando: filho do homem, receba no seu coração todas as minhas palavras e ouça com muita atenção.
Vá ao cativeiro viver com os prisioneiros e com os filhos da sua gente, alertando-os para obedecerem às ordens do seu líder.

Então o extraterrestre me levantou e ouvi por detrás de mim uma voz de grande estrondo, que dizia: Bendita seja a glória do Senhor, desde o seu lugar.

E ouvi o ruído das asas dos seres viventes ao tocarem umas nas outras, o barulho das rodas ao lado deles e o som de uma grande explosão.

Então o ET me levantou e me levou; fui, amargurado, na indignação do meu espírito; E eu me sentia impotente para me soltar.

Ao chegar ao cativeiro, vi muitas pessoas provenientes do mesmo lugar onde nasci. Fui mantido preso naquele lugar por sete dias.

Autor: Profeta Ezequiel.
Referência: Livro de Ezequiel, Cap. 3

Lógica da criação


Os conflitos humanos surgem porque, a todo instante, estamos a confrontrar lógicas diversas; a tentar derrubar a lógica do outro e a implantar – pela força, pelo medo, pela culpa ou pela sedução, a nossa lógica.

Tal movimento é constante e sem regras. Digo, as regras humanas estão aquem de regerem as lógicas da Criação. É o que se conhece como caos: ou seja, o verso e o inverso.

Assim como o “yin e o yang”, assim como a “cara e a coroa”, a existência é composta por dois universos, os quais não podem ser negados, tampouco anulados. Somos luz e trevas: uma parte não existiria sem a outra. Somos a ínfima lógica da criação, cada um tem a sua. Somos unidades em constante conflito – interno e externo.

Autor: Gesiel Albuquerque
Imagem copiada de: http://www.pontosdevistas.net/pv/index.php?showimage=403

sábado, 29 de janeiro de 2011

Chaves de Ezequiel (I)

Primeira Chave: ez1:1-26-dd:30? 5=4

Eu estava no meio dos escravos, junto ao rio Quebar, abriu-se o céu e vi o seguinte:

Olhei o vento tempestuoso do norte trazendo uma grande nuvem de fogo emitido em contínuas labaredas e um resplendor ao redor dela; e do meio das chamas saía uma nave com brilho de âmbar.

E do meio dela saíam quatro criaturas semelhantes ao ser humano, possuindo quatro rostos e quatro asas, cada um deles.

E as suas pernas eram retas e as plantas dos seus pés eram como a de bezerro, reluzindo como bronze polido. As entidades tinham mãos de homem debaixo das suas asas e todos quatro tinham seus rostos e suas asas assim:

Uniam as asas uma à outra, mas não se viravam quando andavam; mas sim, um na frente do outro. À mão direita todos tinham o rosto de leão, e à mão esquerda, o rosto de boi, e também tinham o rosto de águia. Cada qual tinha duas asas que tocavam às dos outros enquanto andavam, cobrindo os corpos deles.

No meio deles havia uma coisa semelhante a ardentes brasas de fogo, ou a tochas que se moviam enquanto o fogo resplandecia, e do fogo saíam relâmpagos.
Corriam, saindo e voltando à semelhança de um raio. Ora, eu olhei e vi rodas sobre a terra, uma para cada um dos seres-águia.

Estas rodas eram altas e belas, cujas bordas eram cheias de olhos incrustados. E quando os homens-águia andavam, elas os acompanhavam; e quando eles se elevavam da terra, faziam o mesmo.

E por cima das cabeças deles havia cristais flutuantes, estendidos por cima de suas cabeças. E quando andavam, eu ouvia o ruído das suas asas, semelhante ao som de cachoeira e à agitação de um exército; e, quando paravam, abaixavam as asas.

Autor: Profeta Ezequiel
Referência: Livro de Ezequiel Cap. 1

Imagem copiada de: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ezequiel

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Tchan

SEGURA O TCHAN!!!!

Karol Loren, dançarina do É o Tchan, na praia do Pepe, Rio de Janeiro.

Fonte: AgNews
http://fotos.noticias.bol.uol.com.br/entretenimento/20110128_famosas-praia_album.jhtm?abrefoto=14

Portal 8:26-39


O título deste artigo remete ao livro do evangelista Lucas, em seu capítulo 8, versículos 26 a 39. O trecho relata a história de um homem atormentado por espíritos imundos e, por eles, possuído, servindo de portal das trevas, incapaz de se defender e se fechar aos ataques.

Vivia acorrentado nas cavernas, pois as pessoas do lugar não queriam tê-lo entre elas, devido ao perigo que representava a si e aos outros.

Jesus, estando de passagem por aquele local, soube do triste fato e mandou que as entidades libertassem o rapaz. Elas lhe responderam indignadas, cobrando uma outra “moradia”; afinal, para onde iriam?

Ao ver uma manada de porcos passeando pelas proximidades, o messias decide enviar os seres macabros para dentro daqueles animais que, em aflição, se precipitaram no abismo e morreram.

Todos conhecem este relato triste e, ao mesmo tempo, libertador da vida do homem gadareno. Há, no entanto, detalhes desta estória merecedores de maior atenção sobre como o filho de Deus era visto pela população e como os seus “poderes” assustavam a gente daquela época.

Quando souberam que o endemoniado, de tantos anos, havia sido libertado dos grilhões físicos e astrais, a população se apavorou com o Cristo e pediu-lhe que fosse embora dali. Vejam! Jesus acabara de fazer um bem a um ser humano, mas foi tratado com desprezo pelos moradores daquele lugar. Por que isso? Não tenho resposta; somente elucubrações.

A primeira inferência a fazer, e, a mim, me parece óbvia, diz respeito à compreensão dos gadarenos sobre o sofrimento do homem acorrentado: para eles, tratava-se de um castigo de Deus e, portanto, deveria continuar até que ele o quisesse. Ao libertá-lo, Jesus feriu esta crença e provocou a ira das pessoas.

Numa outra análise, é certo que a legião de entidades, associadas ao rapaz, se revoltou com a sua libertação e instigou a ira e o pavor do povo contra o galileu, exigindo a sua saída; ou então, suponho, seria morto. Ele assim o fez, sabiamente.

Moral da estória: só se enfrenta as forças das trevas com sabedoria.

Obs.: depois de ter sido limpo, o ex-possesso quis acompanhar Jesus nas suas andanças, mas este não o aceitou, preferindo que ele continuasse naquele lugar, convivendo com as testemunhas do seu sofrimento e humilhação, perdurados por muitos anos.
A intenção do nazareno era o homem divulgar a fonte da sua cura: Deus, o pai celestial. Tratava-se, no entanto, de um deus desconhecido daquela gente, pois eles adoravam vários deuses, por serem pagãos.


Autor: Gesiel Albuquerque

Imagem copiada de: http://acaogospel.com.br/portal/index.php/brasil/o-endemoninhado-gadareno.html

Ser feliz


Desejarmos e termos a prosperidade em nossas vidas, não é errado, muito menos "pecado" como erroneamente, muitas vezes, concluímos. Somos parte da Natureza e se a ela observarmos,verificaremos que, se não houver abusos ou negligência humana, haverá abundância em tudo.

Semeando na hora, e de uma forma correta, colheremos sempre muitos e bons frutos.

Se a pobreza e a falta de recursos fossem um caminho para a felicidade, como acreditam muitos, como ficaria o progresso, sem as verbas necessárias para estudos e pesquisas e suas conseqüentes inovações tecnológicas, voltadas para o bem estar e progresso geral do ser humano e de nosso planeta?

E a nossa família? Você não gostaria de pagar uma boa universidade para seus filhos, ou poder viajar e descansar junto com os seus, sem preocuparse com as despesas que terá ou as dívidas quando do seu regresso?

Muitos místicos, filósofos, religiosos e mestres do passado viveram sem muitos recursos, isso é uma verdade. Mas como será que viveriam hoje, com toda a tecnologia existente no planeta?

Fariam grandes viagens pelos continentes, a pé, como antes, ou aproveitariam o concurso de modernas e rápidas máquinas voadoras? Fariam palestras em praças públicas a reduzidos números de ouvintes ou utilizariam os modernos meios de comunicação, ampliando o poder de suas mensagens?

E para isso, não seria necessária alguma soma em dinheiro? E mesmo que esses trabalhos fossem patrocinados por grupos filantrópicos, também estes não necessitariam de recursos para tal empreendimento?

Os tempos mudaram, o mundo mudou e está mudando constantemente; mas, e os seus padrões e conceitos, também estão?

Autor: Humberto C. Pazian
Do livro: Prosperidade em 42 Dias, p. 2
Editora: Letras & Textos Editora

Imagem copiada de: http://fatimasoares-mestremorya.blogspot.com/2010/04/feng-shui-e-prosperidade.html

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Chico Xavier


Histórias de Chico Xavier

Quando José – irmão de Chico que dirigia as sessões do centro – morreu, Chico ficou com a tarefa de cuidar da família e, além disso, também de uma dívida deixada pelo irmão referente a uma conta de luz, no valor de onze cruzeiros. Na época, a quantia era elevada para Chico, cujo ordenado mal dava para as necessidades básicas.

Quando pensava em como faria para pagar a dívida, Emmanuel lhe disse para não se preocupar e esperar. Algumas horas depois, alguém bateu à porta. Chico atendeu e viu um senhor da roça que lhe disse ter sabido da morte de seu irmão José, e que estava ali para pagar uma dívida que tinha com ele, de uma bainha para faca que José havia feito para ele há tempos. O homem lhe deu um envelope e se foi. Quando Chico abriu, encontrou a quantia exata de onze cruzeiros.

Fonte: http://www.espirito.org.br/portal/publicacoes/esp-ciencia/002/casos-de-chico-xavier.html
Imagem copiada de: http://nososcachorros.blogspot.com/2011/01/os-exemplos-de-chico-xavier.html

Goécia: uma modulação invertida

Falar de goécia parece ser algo trivial em qualquer página da internet ou em livros específicos. Entender, no entanto, o objetivo desta força maligna e os seus ataques bélicos contra os seres da criação é mais complexo; por uma razão simples: há poucos detalhes sobre como essa magia negra se desenvolve e se instala.

Ao me referir a essa prática, não contabilizo os trabalhos realizados por pais e mães de santo nos terreiros de candomblé ou de umbanda. Pois, estes sacerdotes trabalham com elementais e forças da natureza, as quais não conseguem estragar, profundamente, o projeto existencial de ninguém. Isso, no entanto, não desmerece o potencial das energias manipuladas por estas organizações. Todo cuidado é pouco!

Não tenho a intenção de apresentar respostas às perguntas clássicas sobre o que é e como funciona o lado negro da força (goécia), até porque não sou iniciado nestas práticas; mas apenas um estudioso dos assuntos sobre energia, espiritualidade, emoções, psicologia quântica e essência da alma.

E meus estudos e viagens astrais, percebi o enorme poder destruidor de um tipo de goécia produzida com cristais. Isso porque eles potencializam bastante as forças do mago negro e chegam a materializar criaturas e objetos construídos por estas mentes viciadas em fazer o mal.

Outra forma perversa de aplicar a potência destruidora dessa energia-astral é a utilização da hipnose contra a psique das entidades. Exemplo: os malignos fabricam caixas que vibram numa frequência específica, emitindo ondas magnéticas e impulsos elétricos invertidos, a fim de desorganizar, completamente, os centros nervosos (astral e orgânico) das entidades-alvo do seu ódio.

Muita gente já sabe como os zebus do mundo etéreo invertem o biomagnetismo estimulador das moléculas. É possível, portanto, expressar tal fato, analisando as notações científicas a estabelecerem que um número x, de base negativa, e expoente ímpar, apresente resultado negativo. Ex.: (-4)³ = (-4) x (-4) x (-4)= - 64. Ou quando a base é negativa, e o expoente é par, o valor final é positivo. Ex.: (-7)² = (-7) x (-7) = 49.

É necessário observar quando o número da base é uma fração e o seu expoente é negativo; pois, neste caso, a base deverá ser invertida, mudando-se o sinal exponencial para positivo. Ex.: (2)-² = (½)² = (1/4). Guardadas as devidas proporções, o ato mágico tenebroso gera sequências semelhantes a estas. Podemos, dessa forma, comparar estes dados ao seguinte conjunto: a base da potência representa a centelha divina do indivíduo; enquanto o expoente é a frequência eletromagnética-nuclear emitida.

Um matemático habilidoso pode elaborar um cálculo exponenencial capaz de representar as mobilizações aos extremos quantizados pelas consciências doentias.

A exponenciação é útil para expressar valores exagerados: grandes ou pequenos. Ex.: 8. 130. 000 = 8, 13 x 106. Ou ainda, 0, 00014 = 1, 4 x 10_4. Analogamente, a intenção dos magos negros astrais é distorcer a lógica, as crenças e a vitalidade dos seus alvos para gerar, neles, grandes discrepâncias fluídicas e mínimas possibilidades de manifestação, causando descompensação de fluxos, dificilmente reversível; e dando mais trabalho às hierarquias da luz.

Vale dizer que o espectro eletro-magnético do éter de cada organismo é único, agindo como impressão digital de cada centelha. Dessa forma, mesmo que os agentes do mal tentem ludibriar as hierarquias ascencionadas, não conseguirão; pois, a sua modulação vibratória emite um código quântico específico (invertido), indicando a sua origem.

Como resultado deste proceso, a vítma, dominada, torna-se presa indefesa do seu algoz, que inicia uma série de ações sórdidas, incluindo implantes, controle psicológico, emocional e energético contra ela. A partir daí, o tenebroso-chefe emite sugestões fortemente magnetizadas aos corpos mental e emocional do obsedado, fazendo com que a sua vontade se enfraqueça e caia no seu comando.

Posteriormente, falarei sobre um processo cruel utilizado, também, pelos magos negros, conhecido como imantação. A palavra é pequena, mas os seus efeitos maus são extensos. Através da imantação, realizam-se maldições, energização, orações, rituais, entre outros. Brevemente, irei detalhar este processo muito perverso de dominação mágica.

Autor: Gesiel Albuquerque

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Obsessão espiritual (alerta)

Podemos identificar, por trás da manipulação energética, a presença de entidades altamente intelectualizadas e com profunda experiência científica e magística, portadoras de tamanha cultura espiritual e de tal conhecimento do mundo oculto que desafiam os métodos consagrados da chamada doutrinação.

Não basta disposição íntima de auxiliar ou solucionar o processo obsessivo; é preciso conhecer o procedimento utilizado, bem como a arquitetura do poder que exercem as mentes extrafísicas responsáveis pela aglomeração de forças no chamado submundo astral.

Com certeza, a existência dos dragões, dos chefes de legião e de muitos dos magos negros é bem mais antiga do que a história das civilizações terrenas, considerando-se os registros que se tem à disposição nas academias. Sua origem remonta a outros mundos e aos exílios planetários, dos quais esses seres vieram, em situação de degredo cósmico.

Em decorrência disso, sua procedência e sua maneira de pensar, assim como o conhecimento, o desenvolvimento e a visão que eles têm do mundo, da ética e da moral, não podem ser classificados simplesmente como errôneos, segundo uma perspectiva reducionista.

Tachá-los desse modo não leva em conta e empobrece sua cultura espiritual, que advém de bases sensivelmente distintas daquelas que norteiam a população do planeta Terra.

Autor: Joseph Gleber (por Robson Pinheiro)
Livro: Legião, Cap. 4, pág. 49

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Xadrez: rei morto


Começo este artigo pela seguinte afirmação: nossa existência é semelhante ao que acontece num jogo de xadrez. Tal assertiva a mim me parece inexorável devido ao grau de similitude entre os eventos transcorridos no tabuleiro e aqueles recorrentes em nossa vida.

O xadrez é praticado por milhões de pessoas em torneios nos clubes, escolas ou pela internet. A partida é disputada em um tabuleiro de casas escuras e claras, na qual cada jogador manipula dezesseis peças com diferentes formas e características. O objetivo é alcançar o rei adversário e matá-lo.

Trata-se de um jogo considerado inteligente, que exige do enxadrista muita perícia, paciência, cautela e coragem. Qualquer distração pode levá-lo a se enroscar irreversivelmente entre as peças do seu inimigo e, de lá, não sair até ser derrotado.

Em nossas vidas, a exigência intelectual é igual à cobrada nas partidas xadrezeanas, embora a maioria das pessoas não as obedeça integralmente. Por isso, costumam cair em armadilhas na 3D, onde suas estratégias são destruídas, sendo desfalcadas e tendo minimizadas as suas possibilidades de vitória.

Como nas jogadas sobre a mesa quadriculada, temos a opção de deixar o jogo da vida. No primeiro caso, basta abandonarmos a partida e esta será encerrada. No segundo, a opção é o suicídio, que não é aceito pela maioria dos estudiosos e espiritualistas ocidentais, dos países dominados por dogmas religiosos cristãos. Entretanto, em países como Japão, Suíça e Suécia, esta prática é relativamente freqüente.

O tabuleiro do xadrez é comparado a um campo de batalha na vida real, onde homens, com seus cavalos e peões, apoiados por bispos, damas e rainhas, do alto das suas torres, lutam uns contra os outros dispondo, inicialmente, do mesmo número de combatentes que, aos poucos, vai diminuindo.

As regras desse jogo lembram o nosso plano existencial, com suas centelhas divinas se manifestando, buscando o confronto e o atrito. As regras desse jogo lembram o nosso plano existencial, com suas centelhas divinas se manifestando, buscando o confronto e o atrito. Na batalha real os soldados defendem o seu rei e tentam aniquilar o exército oponente, matando o seu líder maior ao final, o que se convencionou chamar, no xadrez, de xeque-mate: isto é, rei morto.

Na manifestação quântica existencial, o objetivo, em síntese, é também este: lutarmos em prol de alguma causa. Somos soldados mesmo sem usar fardas, já que estamos dispostos a defender o nosso rei; personificado em pai, mãe, filhos, emprego, amigos, bens materiais, a mulher amada, o prefeito, o governador, o presidente e tantos outros. Todas estas peças podem ser, em algum momento, parceiras da nossa luta, ou a força do reinado sobre nós.

Autor: Gesiel Albuquerque

Imagem copiada de: http://pt.wikipedia.org/wiki/Xadrez

Infradimensões (magos negros e brancos)

O que chama a atenção nas infradimensões é a presença maciça de magos negros. Assim como existem os rituais que transformam uma pessoa em mago branco, existem também os rituais que desenvolvem o órgão kundartiguador fazendo nascer o mago negro, com poderes sobre os elementos da natureza igualmente ao mago branco. Quem é mais forte?

Os magos sempre estão em eterna luta, são travadas verdadeiras batalhas nos mundos astral e mental, o desenvolvimento espiritual (negro ou branco) de cada um deles, lhes dá a vitória ou a derrota em uma luta.

O mago branco possui uma espada flamígera, sim de fogo puro, que se desenvolve de acordo com o seu grau esotérico, estando este relacionado com o seu trabalho na magia sexual. O mago negro possui uma espada de madeira. Os magos negros, bruxas e zangões e aprendizes de tantrismo negro habitam as regiões inferiores da natureza, inclusive a região inferior da quarta dimensão. Assim uma bruxa (aquela mulher que trabalhou no tantrismo negro) pode submergir com corpo físico na quarta dimensão, viajar pelos ares e tudo o mais, elas não usam vassouras, mas é comum vê-las em seus feitiços utilizando o famoso caldeirão de cobre.

A junção de magos formam uma Loja. Existem duas: a Branca e a Negra, ambas possuem seus regulamentos e hierarquias. Os adeptos devem respeitar todas as ordens emanadas de seus superiores sob a pena de ser expulso da Loja. As hierarquias observam criteriosamente ao iniciante para ver se ele merece ou não participar da confraria. Em nosso sistema solar a hierarquia Branca de mais alto grau é o Venerável Logos Solar ou Cristo Jesus, e a negra é o Anjo Caído Lúcifer, que hoje se encontra involuindo (purgando) nos círculos dantesco.

Lúcifer deve permanecer ainda por muito tempo trancafiado nas infradimensões, o termo trancafiado significa que ele não tem permissão para reencarnar e a medida que ele se infiltra nas infradimensões seus corpos existenciais vão sendo destruídos até que por ultimo se dissolva no reino mineral. É muito difícil determinar o tempo que uma pessoa demora para sair do inferno, mas uma pessoa comum e corrente demora bem menos do que aquela que já possuindo o conhecimento esotérico e tenha criado seus corpos solares ou Existenciais do Ser, desista do Trabalho Intimo, estes ficarão por milhões e até mesmo trilhões de anos como habitantes dos referidos círculos. O comandante da Loja Negra hoje é o anjo caído Javé.

O mago branco possui uma espada flamígera, sim de fogo puro, que se desenvolve de acordo com o seu grau esotérico, estando este relacionado com o seu trabalho na magia sexual. O mago negro possui uma espada de madeira. Os magos negros, bruxas e zangões e aprendizes de tantrismo negro habitam as regiões inferiores da natureza, inclusive a região inferior da quarta dimensão. Assim uma bruxa (aquela mulher que trabalhou no tantrismo negro) pode submergir com corpo físico na quarta dimensão, viajar pelos ares e tudo o mais, elas não usam vassouras, mas é comum vê-las em seus feitiços utilizando o famoso caldeirão de cobre.

A junção de magos formam uma Loja. Existem duas: a Branca e a Negra, ambas possuem seus regulamentos e hierarquias. Os adeptos devem respeitar todas as ordens emanadas de seus superiores sob a pena de ser expulso da Loja. As hierarquias observam criteriosamente ao iniciante para ver se ele merece ou não participar da confraria. Em nosso sistema solar a hierarquia Branca de mais alto grau é o Venerável Logos Solar ou Cristo Jesus, e a negra é o Anjo Caído Lúcifer, que hoje se encontra involuindo (purgando) nos círculos dantesco. Lúcifer deve permanecer ainda por muito tempo trancafiado nas infradimensões, o termo trancafiado significa que ele não tem permissão para reencarnar e a medida que ele se infiltra nas infradimensões seus corpos existenciais vão sendo destruídos até que por ultimo se dissolva no reino mineral.

É muito difícil determinar o tempo que uma pessoa demora para sair do inferno, mas uma pessoa comum e corrente demora bem menos do que aquela que já possuindo o conhecimento esotérico e tenha criado seus corpos solares ou Existenciais do Ser, desista do Trabalho Intimo, estes ficarão por milhões e até mesmo trilhões de anos como habitantes dos referidos círculos. O comandante da Loja Negra hoje é o anjo caído Javé.


Fonte: http://www.caminhodonirvana.net/

domingo, 23 de janeiro de 2011

O invasor de mentes


Sugiro assistir ao filme “o invasor de mentes” (2009), com Val Kilmer e Cuba Gooding Junior. Trata-se de uma obra bem interessante, na qual são abordados assuntos como domínio da mente, tecnologia de monitoramento, bases secretas de controle e implantes.

Ao assistir a esse filme, você poderá ter uma noção mais detalhada sobre como atuam os magos negros e os ETs negativos contra a humanidade. Na história, 660 pessoas recebem um implante em forma de chip de computador, o qual transmite em tempo real, e na velocidade do pensamento, todas as imagens produzidas pelas mentes dos seus portadores.

Uma dessas pessoas, a de número 373, apresenta rejeição ao implante e acaba descobrindo que, após ter sofrido um grave acidente, no qual sua esposa foi assassinada por um paramédico, teve um microchip implantado em sua cabeça.

A partir disso, ele passa a receber ajuda de um grupo de hackers renegados, os quais tentam usar a sua habilidade de ex-combatente para destruir a empresa fabricante de tal implante, conhecida como Indústrias Hope. Vale salientar que, em Inglês, Hope significa esperança. Que ironia, não.

Quero relatar uma curiosidade sobre o número 373. Quando os seus algarismos são somados, tem-se resultado igual a 13 (3+7+3=13). A soma de 1 mais 3 é igual a 4(1+3=4). O número 4 é o da honestidade, da lealdade e da perseverança. A pessoa de personalidade 4 é altamente metódica e objetiva.

Segundo a Numerologia, 4 é o nome de Deus em diversas tradições; é o quadrado, o império, a forma, o espírito entrando na matéria, simbolizando o sacrifício e o trabalho.

Ressalvadas as devidas proporções e adaptações cinematográficas, “o invasor de mentes” consegue demonstrar, com grande proximidade da realidade, o que acontece em nossos corpos astrais quando saímos do corpo.

Na maioria das vezes, somos levados a bases escondidas nas infradimensões ou no fundo dos oceanos para recebermos programações específicas de controle, monitoramento e de atuação num campo determinado na 3D.

No filme, o objeto é colocado no corpo carnal– mais precisamente no cérebro. Na vida real, recebemos implante em nossos corpos fluídicos, nos mesmos membros e órgãos correspondentes no corpo físico.

Autor: Gesiel Albuquerque

Eu (e você), robôs


Somos robôs! Esta constatação não precisa ser novidade para ninguém, pois, apesar de sermos feitos de carne e osso – e não de lata ou cobre - recebemos uma programação para desempenharmos na 3D.

Por mais que se queira, não se consegue fugir do cumprimento desta programação implantada em nossos centros de inteligência biológica – as células orgânicas e astrais.

Tudo o que o homem passa durante a vida está, ipsis literis, dentro do programado, mesmo não parecendo. O livre-arbítrio é extremamente relativo. Em algum sentido, entretanto, temos liberdade para fazermos escolhas, tais como: a roupa para sair, decidir pelo que comer, preferir uma cor x ou y, pegar o ônibus, entre outras liberdades.

No entanto, não temos saída quando o assunto é viver com uma pessoa a ou b, ou, quem sabe, sozinho; ou enfrentar problemas existenciais: vícios próprios ou de terceiros, violências, doenças, riquezas, pobreza, conquistas, perdas, acidentes, empreendimentos empresariais, família, etc. No entanto, consegue-se mudar esta demanda através dos pactos, acordos e contratos. Por isso, tanta gente se compromete.

Antes de nascer, o ser humano recebe um script contendo todas as informações sobre o seu projeto existencial, que fica gravado em sua mente astral; e, sem notar, segue- o à risca. Refiro-me a todos os aspectos da vida, sem excessão.

Dessa forma, se você pensa ser o dono do seu destino, está enganado. Fazemos parte de uma programação maior, da qual não é aconselhável fugir e nem modificá-la. Portanto, chega de pensar que está pagando pelos seus pecadinhos de outras vidas.

A sua essência é, e sempre será imutável. Em outras palavras, suas ações estarão sempre ligadas a um propósito maior, atuante dentro de você, independentemente da sua natureza. Em síntese, eu e tu somos robôs.

Autor: Gesiel Albuquerque
Imagem copiada de: http://estudosgospel-estudosdoelsio.blogspot.com/2009/07/eu-robocristao.html

sábado, 22 de janeiro de 2011

Candomblé X Umbanda

Diferenças entre Candomblé e Umbanda

Primeira:
O candomblé é uma religião iniciática que tem seus fundamentos nas religiões tribais africanas trazidas pelos escravos para o Brasil. A umbanda foi criada por volta de 1900 no Rio de Janeiro, onde o primeiro babá de terreiro criou as regras, ou foram ditas por seus guias.

Segunda:
Antigamente, na religião africana, existia uma separação entre o culto de Egun e o culto de orixá, que eram bem definidos. Os locais de culto eram independentes e separados.

Terceira:
Os orixás no Candomblé não se comunicam diretamente com a assistência. Para que a esta possa saber alguma coisa para melhorar sua vida, precisa falar com o babalorixá, que consultará os búzios.

Quarta:
Na Umbanda, a assistência pode consultar as entidades diretamente, sem precisar do jogo de Búzios, uma vez que as entidades podem utilizar o corpo do médium para se comunicar.

Quinta:
No Candomblé, quando os médiuns se preparam para incorporar, dançam num círculo em movimento, rodopiando seus corpos ao som dos atabaques e outros instrumentos.

Sexta:
Na Umbanda, o médium fica parado, acompanhando por palmas os pontos cantados e esperando o momento exato para a incorporação dos orixás ou das entidades. Para os médiuns novatos, a mãe ou pai de santo “puxa" a linha dos orixás fazendo o sinal da cruz em sua testa e trazendo os orixás para o médium que ainda não tem experiência suficiente para incorporar, sozinho, o orixá, possa trabalhar.

Sétima:
Outro fator importante é o advento das cores, bem diferentes entre o Candomblé e a Umbanda

Oitava:
A música também é bem diferente no Candomblé, e vai depender a qual ela pertence. Na Umbanda, os cânticos são todos cantados em português. As roupas são brancas e o uso das cores fica reservado para os pais e mães de santo, em dias de festa ou em homenagem no terreiro.

Nona:
No Candomblé, os médiuns devem usar roupas brancas somente ou com uma fita vermelha presa a sua cintura. A assistência deve sempre ir a um terreiro de roupas claras, deixando a escura para as giras de exus (Ainda assim muitos terreiros orientam aos freqüentadores a usar a roupa branca).

Décima:
Na Umbanda, o branco significa proximidade com a clareza, paz de espírito e abertura de seu corpo para as coisas boas, uma vez que o preto significa luto – corpo fechado.

Com adaptações
Fonte:http://www.sobresites.com/candomble/artigo2.htm
Imagem copiada de: http://ocandomble.wordpress.com/2009/07/14/candomble-e-umbanda/

Homem mau


Centenas de animais vivem aprisionados em terraço de Bangkok. Zoológico amontoa animais nos dois últimos andares de um edifício comercial dedicado à venda de roupas e aparelhos eletrônicos

Fonte: http://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/meioambiente/centenas+de+animais+vivem+aprisionados+em+terraco+de+bangkok/n1237965057753.html#0

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

EU profundo


Os tenebrosos (magos negros e Ets negativos) conseguem desconectar as pessoas da sua essência divina através de hipnose, reforçada por uma vibração energética invertida em relação à freqüência das vítimas.

Trata-se de uma espécie de campo de força magnético tão poderoso que facilmente o indivíduo tem a sua vontade enfraquecida, cedendo às sugestões de medo, culpa e remorso . Deixa-se também levar pelos comandos oriundos das mentes controladoras, residentes, às vezes, em outras galáxia.

A sensação das pessoas atingidas por essa forma de ataque é de desconexão com o seu Eu profundo. Elas costumam sentirem-se vazias e enfraquecidas mental e espiritualmente. Concomitante a este processo, ocorre a implantação de aparelhos ou ovóides astrais para servirem de instrumentos de monitoramento dos pensamentos e dos desejos do implantado.

Além dessa função maldita, estas peças sugam as energias físicas e fluídicas da pessoa, deixando-a fraca e debilitada; levando-a, na maioria das vezes, à morte física.

Depois de morto na 3D, o indivíduo será um alvo mais fácil de ser plenamente dominado pelos agentes densos das trevas. A duração deste sofrimento é indefinida, podendo durar alguns anos, ou até milhares de anos.

A libertação do sofredor vai depender das suas conexões infradimensionais, dos seus méritos conquistados e do grau de envolvimento com as forças perseguidoras.

Autor: Gesiel Albuquerque
Imagem copiada de:http://liliangoncalves.blogspot.com/2010/07/espiritualidade-adogmatica.html

Sol


Nosso sistema solar recebe um nome esotérico chamado: Sistema Solar de Ors. Todo sistema solar possui uma parte espiritual, pois este é o motivo da Criação, propor condições para o desenvolvimento espiritual das essências.

Nosso sistema, em particular, possui um regente espiritual que tem seu trono situado nas dimensões superiores: seu nome é Ors, mas é conhecido pela maioria dos seres como Logos Solar. Logos quer dizer principio e unidade.

O Logos Solar é responsável pelo desenvolvimento físico e espiritual de todos os habitantes deste sistema. A estrela central Sírius de nossa galáxia também possui um regente conhecido como Deus Sirius e foi, por ordem deste, enviado ao nosso planeta já faz milhões de anos.

A conhecida expedição organizada pelos Arcanjos Loigos e Sakaki, que tinham o objetivo de estudar o motivo pelo qual nosso planeta não conseguia se estabilizar ocorreu na idade da humanidade Lemuriana, onde o Logos Solar atuou intensamente em prol da humanidade. Mesmo assim, não conseguiu impedir a queda sexual Lemuriana e evitar a expulsão desta do Éden.

Durante a humanidade Atlante, o Logos Solar foi o Ser executor da Lei em nosso planeta, lutando bravamente para levantar novamente a humanidade, mas a Atlântida sucumbiu, pois a luta entre as forças do bem e do mal misturados com magia e alta tecnologia fizeram afundar o continente, promovendo uma outra realinhagem dos eixos, fazendo nascer outros continentes.

Novamente a Terra estava preparada para receber a quinta raça, a ariana. Neste período, o Logos Solar baixou e ordenou o seu bodhisatwa reencarnar novamente em nosso mundo.

O objetivo era aprender, ainda mais, sobre a luta do bem e do mal, e como resultado, adquiriu mais luz, mais poder, mais sabedoria. foi uma reencarnação teste para a mais alta missão que seria realizada por um mestre: mostrar publicamente no mundo físico o trabalho de cristificação. Estava para ocorrer em nosso planeta o maior evento cósmico que mudaria para sempre nossa história.

Com correções.
Fonte: http://ocaminhodonirvana.net/site/logo_solar.html

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Magos Negros X Magos Brancos

Quando falamos dos magos negros do mundo astral, não podemos nos esquecer das nossas iniciações (conscientes ou não) nesta energia no mundo físico.

Não pretendo ser maniqueísta e estabelecer tradicionalmente o lado do bem e do mal. Isto porque já disse em meus textos, e volto a repetir, que a energia é única. Ela mobilizará a construção ou a destruição de acordo com o direcionamento dado a ela.

Serão as nossas verdadeiras infraconexões energéticas - mais do que as nossas opções sintomáticas - a determinarem o teor das energias produzidas e manipuladas, mesmo sem sabermos.

No sentido estrito da expressão “magia negra”, faz-se necessário perceber a essência específica de cada um e perguntar ao seu Eu divino se as suas atitudes produzem dor, sofrimento, tristeza, dominação; ou se elas co-criam mundos mentais e físicos sublimes; belos e agradáveis.

Esta descoberta só pode ocorrer em cada indivíduo, pois os seus interesses gerais e específicos nas ocorrências atitudinais representam a força motriz necessária para movimentar as suas energias interdimensionais, construtoras de realidades.

Devemos, porém, lembrar o seguinte: não estamos imunes às forças do universo, nem impunes, apesar delas. Aquela antiga expressão popular que diz: quando se cobre um santo, deixa-se o outro descoberto, aplica-se tranquilamente a esta reflexão.

Resumindo: os magos negros podem produzir, também, magia branca, e os magos brancos, magia negra. E todos se comprometem igualmente com as partituras energético-dimensionais assimétricas da criação.

Surge então a pergunta: então, quando manipulamos a magia negra? Mobilizamos a intenção destruidora da força (somos magos negros) ao agirmos com egoísmo, perversidade, desprezo, queixas infrutíferas, ações humilhantes, agressividade injusta e desnecessária, ciúme doentio, inveja, ódio, rancor, entre outros aspectosmaus da natureza humana.

Somos magos brancos quando, mesmo sacrificando uma parte, pensamos em salvar o todo, pois tudo tem um preço a ser pago. Não existe a gratuidade na natureza cósmica; comprometemo-nos sempre. Não importa se trabalhamos para os propósitos da luz ou o das chamadas trevas.

Autor: Gesiel Albuquerque

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Quem é você?

Quero chamar a atenção de todos para um fato sobre o qual pouco se tem refletido e muito pouco se tem comentado, que é sobre a nossa verdadeira identidade enquanto consciências universais. Certamente você já se perguntou: o que sou? O que somos?. A resposta para este questionamento é: antes de sermos pessoas, somos crenças.

Não estou a falar de atitudes ou votos de confiança; nem me refiro à sistemática de interpretar algo como falso e verdadeiro, ou acreditar em outras opiniões. Não meus amigos; não estou falando destes tipos de acreditabilidades. Não falo de acreditar em algo, ou alguém; mas saber o que, e quem, somos. E isso faz a diferença. Por exemplo: uma coisa é alguém acreditar que Deus existe. Outra, é saber que ele existe.

O nosso sistema existencial está fundamentado nisso, mas percebemos pouco. Você é João, Maria ou José não porque acredita ser, mas porque sabe que é. Entende? Nestes personagens, são reforçadas características e performances peculiares, provocadas pelas experiências do embate entre centelhas divinas.

É importante dizer que, em várias passagens dos textos bíblicos, há frases como: "a presença do eu sou", ou "Eu sou em mim". Observe. Não está escrito "eu acredito na presença do eu sou; ou "eu acredito que sou em mim"; mas sim, eu sou. Esta expressão demonstra a necessidade de conhecermos o grau de identificação com o nosso Ser, e não com o Ser que acreditamos ser.

Na infância, sua mente e consciência manifestam-se para o mundo tendo a plena noção de que são crianças. Quando adultos, ocorre o mesmo. Mas, para o universo, somos partículas da criação, em movimento, atritando-se com outras e manifestando (possivelmente sem noção) o poder do Grande Arquiteto do Universo.

A crença se forma, e pode ser formatada, através de uma senha de acesso ao grande sistema denominado "Eu Sou". Essa chave sereta encontra-se registrada em nosso DNA espiritual, ao qual só o nosso criador tem acesso. Confesso ter dúvidas se fomos mesmo criados ou se nos incriamos.

Nossa alma é "Eu Sou". Esta senha é a constatação de que somos formas materiais de uma vontade suprema. Nossos desejos, emoções, experiências e interações estão conectados à expressão do que sabemos ser, mesmo sem acreditarmos.

No século XVI, o filósofo e matemático francês René Descartes (1596 - 1650) instituiu um axioma bastante provocador sobre a natureza do homem e a realdiade das coisas. Ele disse: "penso, logo existo". Para aquele cientista, o princípio fundamental de toda a certeza racionalista era o pensamento.

O existir para o filósofo não significava ter corpo físico e interagir com as forças da natureza; mas sim, se auto interpretar (grave essa expressão) enquanto consciência universal capaz de manifestar vontade, emoções e sentimentos. Descartes entendia a existência do espírito como a manifestação da consciência e do pensamento, autônomos e independentes.

Como ilustração, imagine o seguinte: do ponto de vista da realidade, um poste de luz existe porque alguém o fabrica e o enterra em algum lugar. A toda hora, vemos um nas ruas; e algumas pessoas resolvem até ficar ao seu lado, falando com ele, chutando-o, urinando nele. Entretanto, aquela peça vertical de 4 a 6 metros não pode falar das suas alegrias e tristezas; tampouco se manifestar através do pensamento. Portanto, sob a ótica cartesiana, o poste, simplesmente, não existe.

Alguns textos bíblicos me chamam a atenção. Comentarei sobre um deles: o livro de Êxodo, capítulo 3, versículos 14-15, no qual há uma frase intrigante que diz: "E disse Deus a Moisés: Eu Sou o que sou. Assim dirás aos filhos de Israel: Eu Sou me enviou a vós"... .

A expressão "Eu Sou", referindo-se a uma entidade, é repetidas vezes mencionada no novo e velho testamento. É possível que poucos tenham notado a significação fundamentalista destas palavras, que podem nos ajudar a entender a nossa essência.

Somos gente, somos vivências, somos amor e ódio, bem e mal; um conjunto de "Eu Sou" em carne e osso. Não sendo crenças, não existiríamos por um segundo sequer.

Parafraseando Descartes, Eu Sou, logo existo.

Autor: Gesiel Albuquerque
Imagem copiada de: http://poars1982.files.wordpress.com/2008/03/300px-robertfuddbewusstsein17jh.png

domingo, 16 de janeiro de 2011

Os dinossauros



Hercólobus, o planeta vermelho, também chamado de losna ou Barnard 1, o último nome dado por seu descobridor, o astrônomo conhecido como Barnard. Até agora não temos nenhuma informação.

O planeta Hercólobus é um gigante com tamanho 6 vezes maior que Júpiter, dentro do sistema ou Tylo Tyler, cuja órbita ao redor do Sol leva cerca de 35 mil anos.

A Órbita de Hercólobus atinge 500.000 quilômetros da Terra, ou talvez algo ainda menos. O perigo de colisão é nulo, já que, teoricamente, as órbitas planetárias não conseguem atravessar. Mas, quais as conseqüências da aproximação com a Terra de um planeta de proporções tão colossais?

As consequências, sem dúvida, seriam muito desastrosas. Quatro possibilidades são muito comentadas, todas ligadas a grandes extinções e mudanças dramáticas no clima. Dizem que Hercólubus foi a causa da extinção dos dinossauros e que sua última aproximação deslocou o eixo da Terra ao seu estado atual e inverteu sentido da sua rotação.

[...]

Textos dão conta de cálculos, ilustrações e posições siderais, lançadas em 11 de junho de 1940, sobre a entrada lenta no sistema solar de uma massa cósmica brilhante em direção à Terra cna forma de um corpo gigantede órbita elíptica semelhante a de um cometa e massa e largura de um planeta.

Dizem tratar-se de um palneta de alta vibração, pesado e um poderoso campo eletromagnético três vezes maior que Júpiter, em alta velocidade. Supõe-se que esteja em rota vertical, viajando para a frente em órbita elíptica a 13.333.3 anos-luz, 133,3 séculos entre o Sol e Sol negro e que esteja morrendo 32 trillion milhas.

[..]

Este corpo celeste poderia passar mais rápido dentro da órbita da Terra com uma velocidade estimada de 66 mil quilômetros por segundo.

Os textos falam sobre as probabilidades de esta nova e gigantesca massa cósmica poder modificar o eixo da terra causando grandes perturbações gravitacionais e geofísicas. E, ainda assim, poderia influenciar o campo graviatcional da lua.

A órbita elíptica da Terra ficaria, então, paralela ao Equador celeste e os dois pólos seriam removidos ao mesmo tempo, como nos dias de equinócios de primavera e outono.

Trechos traduzidos e adaptados
Fonte: http://www.bibliotecapleyades.net/hercolobus/esp_hercolobus_1_01.htm#hercobolus

sábado, 15 de janeiro de 2011

Ets Zetas


Os Ets zetas possuem uma tecnologia ainda não conhecida de nós, que faz com que eles atuem diretamente em nosso mundo não sendo notados. Quando querem, e isso é raro, apresentam-se para algumas pessoas.

Eles agem dessa forma porque estão conscientes de que, qualquer contato físico com os humanos pode vir a danificar a sua estrutura energética corporal e levá-los à morte.

Eles não são espíritos, nem utilizam a tecnologia da invisibilidade (ludibriar a reflexão da luz). De alguma forma, conseguem estar entre nós sem que sejam vistos ou sentidos pela maioria. Dessa forma, eles podem facilmente implantar, teleguiar e até entrar em alguns humanos.

Às vezes, quando estou deitado, os vejo me observando atentamente, como se estivessem a procurar alguma coisa na minha estrutura energética. São diversas as minhas experiências com estes seres, mas não posso falar sobre elas.

Autor: Gesiel Albuquerque

Praia

Uma sereia, outra sereia; que sereias! Mais humanas, impossível!


Imagens copiadas de:http://fotos.noticias.bol.uol.com.br/entretenimento/famosas-biquini-semana20110115_album.jhtm?abrefoto=1
AgNews

Salto Quântico Existencial: a mecânica da cura

O termo quântico tem estado em evidência faz algum tempo. Isso porque diversos ramos do conhecimento adotaram, e até transformaram, métodos, teorias e práticas de cura em um novo arcabouço conceitual, deliberadamente oposto aos procedimentos tradicionais. Tem sido assim com a cura quântica, apometria quântica, terapia quântica, entre outras.

Muito bem! Este, no entanto, não é o mote do texto que lhes ofereço para apreciação. As questões a levantar aqui são: o quanto sabemos sobre física quântica? Como explicar os fenômenos da existência e o possível acesso as dimensões paralelas? E como utilizar os seus princípios nos processos de cura? Acredito que poucos saibam. Muitos até utilizam a palavra "quântico" por entender que ela dá um tchan a mais à forma do tratamento terapêutico. Entretanto, possuem uma noção simplória sobre a real manifestação da natureza quântica da criação.

Ocorre que a Física Quântica merece maior atenção da nossa parte, pois é uma descoberta sem igual capaz de nos inserir no terceiro milênio, conscientes da nossa natureza orgânica, não apenas composta de carne e osso, e por não estarmos presos indefinidamente à suposta previsibilidade e terminalidade da vida; isto é, eternamente estacionários na grande obra.

O físico alemão Max Planck (1858-1947), tentando entender a energia do espectro da radiação térmica, representada por ondas eletromagnéticas, produzidas por organismos emissores de calor a uma certa temperatura, conseguiu elaborar a equação conhecida como Constante de Planck, cuja fórmula é: Δε = h.ν. Sendo h a constante de proporcionalidade com valor igual a 6, 63×10-34J.s. Tal descoberta estremeceu as bases da física ortodoxa.

Somando-se a essa descoberta, o físico austríaco Erwin Schrödinger (1887-1961) propôs uma equação diferencial (HY=EY) construída com base no modelo atômico do físico dinamarquês Niels Henrick David Bohr (1885-1962), tomando como suporte as ideias quânticas de Planck.

A equação de Schrödinger representa a base das formulações mais empíricas da física quântica e descreve (ou descobre) o comportamento de uma partícula ondulatória a nível atômico. Esta equação se fundamenta num modelo atômico completamente baseado em ondas estacionárias o qual dá suporte às teorias modernas da física e da química.

A Constante de Planck e a equação de Schrödinger marcaram o surgimento e fortalecimento da Mecânica Quântica, também chamada de Física Quântica, que se propunha a estudar a radiação térmica das partículas aquecidas nas camadas atômicas e subatômicas.

Qual é a idéia central dessa teoria? Observe. Um elétron, quando aquecido, passa do nível 1 ao 2, depois do 3 ao 4, até chegar ao último. No entanto, jamais passará pelos níveis subjacentes das camadas. Dessa forma, a energia estará quantizada, isto é, a partícula terá dado um salto quântico de um valor para outro.

A teoria quântica é a base de inúmeros experimentos tecnológicos a serem utilizados nos próximos anos. Em nosso cotidiano, lidamos com várias tecnologias sem imaginar que elas são projetadas com base nos conceitos da quantização energética. Cito, por exemplo, o computador, os aparelhos de DVD e CD, rádio, telefone celular, entre outros.

A Física Quântica envolve conceitos de corpos com pequeníssima massa que integram corpos maiores, e a radiação eletromagnética invisível a olho nu; precisando apenas do espaço vazio para se propagar.

O salto energético mencionado aqui serve para entendermos que, sendo um aglomerado de decilhões de átomos, podemos, também, pular quanticamente para outras dimensões, já que a nossa frequência elétrica se manifesta em realidades estranhas, por enquanto, à atual 3D.

O nosso poder está em imaginar. O físico e humanista alemão Albert Einstein (1879-1955) entendia a imaginação como algo mais importante que o conhecimento. Penso que, através dela, podemos transcender a dualidade, indo para outras realidades sem sairmos, em tese, do corpo físico.

Esta constatação pode ser feita aí, agora, entre a visualização de uma cena e as formas como você a enxerga em movimento. Sua vontade representa o calor a estimular a matéria atômica das suas imagens. E lhe permitirá acessar todo e qualquer registro na sequência temporal. Não importa se é boa ou ruim, ou como irá afetar o universo. Energia é energia.

Veja! Tudo que fazemos e conquistamos nasce primeiramente onde? Na imaginação. Pode chamá-la de ideia. Exemplo: você quer comprar um carro sofisticado, mas não tem o dinheiro suficiente. Passa, então, a imaginar aquele veículo e a se ver nele, visualizando detalhes como cor, estofamento e o sistema de som. Num determinado momento, o dinheiro, ou as condições para consegui-lo, surgem do nada; e, em pouco tempo, você está a bordo de um veículo idêntico ao que tanto sonhou. Numa dimensão simultânea, não se engane, isso já está ocorrendo. Na 3D, o fato apenas se materializou.

Outro exemplo: na infância, você idealiza a mulher ou homem dos seus sonhos, e também a sua casa e profissão. Na fase adulta, olha você morando na casa que sonhou, ao lado da pessoa idealizada e na profissão almejada! Sabe por que tudo isso se realizou? Porque já estava criado numa outra dimensão. Quem criou? Você, que já está lá desde criança.

Partindo do princípio quântico, podemos mudar as nossas vidas, quantizando os nossos pensamentos e viajar, simultaneamente, a todas as dimensões, e em todas as eras, em busca de respostas e ativação da cura. Importante lembrar que passado e futuro são uma invenção humana, pois o tempo é sempre o mesmo: o agora.

Dessa forma, podemos mudar a nossa realidade no tempo e nos espaço, apagando e reinstalando novos preceitos e conceitos, cortando laços com lugares, pessoas e situações negativas, destruindo as energias magnéticas invertidas, imantadas em nossos corpos, e chegarmos à causa do problema para curá-lo e nos curarmos. Para tanto, só precisamos agir com a imaginação.

Autor: Gesiel Albuquerque
Foto copiada de: http://www.infoescola.com/fisica/constante-de-planck/

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Maçonaria. V.'. de uma l.'. de S.'. ....


Da luz que de si difunde
Sagrada filosofia!
Surgiu no mundo assombrado
A pura Maçonaria.

Maçons, alerta!
Tende firmeza!
Vingai direitos
Da natureza!

Da razão, parte sublime,
Sacros cultos merecia.
Altos heróis adoraram
A pura Maçonaria.

Maçons, alerta!
Tende firmeza!
Vingai direitos
Da natureza!
[...]
Da luz depósito augusto
Recatando a hipocrisia
Guarda em si com zelo santo
A pura Maçonaria.

Maçons, alerta!
Tende firmeza!
Vingai direitos
Da natureza!
[...]
Do mundo o Grande Arquiteto
Que o mesmo mundo alumia
Propício protege, ampara
A pura Maçonaria!

Maçons, alerta!
Tende firmeza!
Vingai direitos
Da natureza!

Os demolidores no mundo astral

No mundo astral, existem seres programados para demolir tudo o que está vinculado à sua criatura-alvo, esteja encarnada ou não. Estes seres tenebrosos são contratados ou produzidos por magos negros poderosíssimos, os quais são capazes de aniquilar uma raça inteira só para cumprir, ou fazer cumprir, os seus propósitos mais terríveis. Tais propósitos giram em torno, normalmente, do desejo insano e intenso de dominação sobre os mais fracos espiritual e emocionalmente.

O objetivo principal dessa busca pelo controle das mentes e almas é o de roubar energia espiritual dos incautos, ludibriados pela sua própria ignorância e pela necessidade de sobreviver e de se sentirem protegidos.

Outro objetivo dos magos negros é o de controlar as vontades dos seres encarnados e desencarnados. Dessa forma, podem ter conhecimento de tudo o que planejam ou desejam, e assim, demolirem qualquer projeto que ameace o seu império da escuridão ou impedir o acesso do sujeito à sua essência divina.

Há inúmeros desses demolidores entre encarnados. Obviamente, comparados aos seus líderes astrais, o que eles fazem com a humanidade pode ser considerado levíssimo. Hitler, por exemplo, seria um santo se comparado a eles.

Você deve estar se perguntando como os demolidores agem entre nós. Simples. Eles destroem todos os projetos através da inseminação e da disseminação da inveja, da intriga, do ódio, da maledicência, das falsas crenças e da criação de falsos deuses ou ídolos.

Essa ação pode ser rápida e fulminante; como pode ser lenta, gradual e progressiva. Eles podem destruir a vida de um indivíduo, como a de milhares de pessoas através de guerras, conflitos ideológicos, políticos ou religiosos.

Volto a alertar aos humanos! Estamos desprotegidos das forças construtoras da luz. A nossa proteção se dá, quando a temos, por causa dos pactos que assumimos com os magos negros e aliens; entidades pertecentes às causas demolidoras. Agindo assim, eles já destroçaram mundos e até universos. Trata-se de seres advindos de mundos perdidos no univeros; também, em alguns casos, destruídos por eles. São cientistas cuja lógica é a de sempre demolir para reconstruir, do seu jeito.

Você também deve estar se questionando sobre quais são esses pactos. Simples também. Tais pactos - que podem ser individuais ou coletivos - estão ligados, por exemplo, à manutenção e à defesa de um determinado sistema político ou ideológico no mundo dos encarnados. Ou podem estar, também, vinculados às manobras para perverter os conhecimentos extradimensionais dos humanos, bloqueando-lhes o acesso à sua divindade; o que os levaria a não se submeterem ao julgo de tantos tenebrosos para sobreviverem.

Depois falarei mais sobre os pactos. Prepare o seu coração e abra a sua mente.

Autor: Gesiel Albuquerque

Rio 513 graus


Sobe para 513 o número de mortos pelas chuvas no Rio
Nova Friburgo confirma 225 mortes. Teresópolis tem 228 vítimas; Petrópolis, 41; Sumidouro 19, segundo dados do IML do Rio. (www.ig.com.br)

Lamentável esse episódio. Em parte, os moradores são responsáveis por essa tragédia. Mas essa culpa é diluída na vazão de irresponsabilidade dos governantes que, omissos, fisiologistas de plantão, cedem aos impulsos de pessoas buscando um cantinho para residir. Nessa hora, qualquer espaço é válido, inclusive as áreas de risco de morte.

Sei que não é hora de caça às bruxas; mas, não posso deixar de expressar a minha indignação com a omissão, a leniência e a consequente incompetência dos gestores públicos, cujos sentidos ficam obliterados pela conquista insana de votos e mais votos. Mexer com o povo pra quê?

Rio 513 mortos: muitos homens, mulheres e crianças despediram-se tragicamente do mundo, deixando familiares e a própria população inconsolável com tanto sofrimento. A temperatura naquela região fria está subindo e subindo. Já está em 513 graus de agonia, dor e perdas. E ainda vai subir, lamentavelmente.

Autor: Gesiel Albuquerque

Saiba onde fazer doações para as vítimas das chuvas no Rio


Fonte: www.ig.com.br

Água, leite, alimentos não-perecíveis colchonetes, roupas, material de limpeza e artigos de higiene pessoal são os itens mais necessários

Kayo Iglesias, especial para o IG. 13/01/2011

Veja contas para doações no Banco do Brasil, Itaú Unibanco e Bradesco. Alguns shoppings do Rio de Janeiro também estão recebendo doações.

Banco do Brasil

Conta corrente, em nome da Prefeitura de Teresópolis, são:

Agência 0741-2,
c/c 110000-9.

Para ajudar às vítimas de Nova Friburgo os dados são:

Agência: 0335-2,
c/c:120.000-3.

Banco Itaú


Agência: 5673
Conta: 00594-7
CNPJ 02932524/0001-46
Favorecido: Fundo Estadual de Assistência Social do Estado do Rio de Janeiro

Bradesco

Beneficiário: Fundo Estadual da Assistência Social

Agência: 6570-6,
Conta corrente: 2011 – 7


Algumas orientações a quem quer ajudar: separar roupas masculinas, femininas e infantis antes de doar, amarrar pares de sapatos e observar prazo de validade de remédios.

Jesus, dos 13 aos 29 anos


Este artigo pode parecer desnecessário ao leitor, pois é sabido que, dos 13 aos 29 anos, há um lapso histórico na vida de Jesus de Nazaré. Nos textos bíblicos, ele é apresentado ao mundo no período compreendido entre o seu nascimento até completar doze anos. Sua última aparição, antes de sumir da história, ocorre num encontro entre ele e os chamados "doutores da lei". Depois disso, simplesmente desaparece sem deixar vestígios.

Após essa lacuna temporal, os evangelistas passam a falar do messias, já com trinta anos, em plena atividade missionária. Acompanhado de alguns apóstolos, ele sai pela Galiléia e adjacências pregando a palavra de Deus.  

As perguntas-chave para esse sumiço, cujas respostas ninguém dá, são: o que Jesus fez nesse período? Onde ficou e por que não deu notícias? Por que os evangelistas não relatam uma linha sequer referente às ações do jovem Galileu no final da sua infância até o vigésimo nono ano de vida?

Existem muitas especulações sobre o tema. Há, inclusive, livros de teólogos e pesquisadores preocupados em esclarecer esta história não revelada. Dentre estes materiais, estão o do autor Carlos Carvalho Cavalheiro, intitulado "O mistério revelado", e o livro espírita do professor Francisco Klörs Wernec, cujo título é "Jesus dos 13 aos 30 anos. Para mim, obras nada convincentes. Preservo, no entanto, o respeito ao trabalho dos seus idealizadores.

As religiões nunca deram respostas às perguntas acima. Os estudiosos ficaram mais no campo das hipóteses que da evidência histórica, e até da comprovação científica. Afinal, por que tanto mistério sobre o paradeiro do nazareno? As omissões promovem uma atmosfera de estranheza aos interessados no assunto. Incomoda, também, a falta de disposição das autoridades religiosas em esclarecer um fato, no mínimo discrepante, sobre a vida de um garoto excepcional para o seu tempo. O que aconteceu? Você sabe? Nem eu.

Por não obtermos respostas, entraremos no terreno das especulações para buscar entender o que houve na vida de uma figura tão magnânima, do ponto de vista da fé e da religião. Então, elucubremos um pouco.

Hipótese Primeira

O pesquisador americano Joseph Atwill (2015) diz que Jesus não passa de um mito. Segundo ele, o personagem, suas palavras e ações fazem parte de uma elaborada narrativa inventada por aristocratas romanos, com o objetivo de pacificar os judeus — um povo envolvido em sucessivas rebeliões contra o império. "Os romanos perceberam que o melhor caminho para acabar com a atividade missionária  fervorosa entre os judeus era criar um sistema de crenças que competisse com o deles", afirmou.
Hipótese Segunda
Jesus não existiu. Tese defendida pelos autores La Sagesse (Jesus Cristo nunca existiu) e H. Wayne House (O Jesus Cristo que nunca existiu). Alguns afirmam que a sua história teria sido a compilação pouco criativa da crença dos povos da época na vinda do cordeiro de deus, conhecido como Mitra.
Práticas e crenças do mitraísmo foram adotadas pelo Cristianismo: entenda-se, Igreja Católica Apostólica Romana. Só para você saber, o aniversário de Mitra era celebrado em 25 de dezembro. A Igreja adotou essa data para celebrar também o nascimento de Jesus. Era costume do catolicismo assimilar elementos da religião pagã e integrá-los ao seu corpus dogmático com o obejtivo de fortalecer a fé dos novos cristãos.

Hipótese Terceira

Dos treze aos vinte e nove anos,  Jesus não quis saber de nenhuma tarefa evangelizadora. Tampouco valorizou as crenças de sua época. O que ele queria mesmo era curtir a vida como todo jovem da sua idade. Para tanto, entregou-se a uma vida desregrada, envolvendo-se com mulheres e bebidas. Esta constatação chocou os escritores cristãos, que resolveram não registrar coisa alguma sobre a sua vida por um motivo óbvio: do ponto de vista mítico não havia o que contar.

Hipótese Quarta

Jesus era um agitador sem correção. Incomadava os poderosos com suas queixas sobre impostos, igualdade social e liberdade de expressão. Apesar disso, tinha uma oratória invejável e proferia palavras agradáveis ao povo. Contudo, foi crucificado antes de completar trinta anos, por ter criticado a moeda do imperador e proclamar-se rei de um certo reino. As autoridades não entenderam a que reinado ele se referia, ficaram furiosas e pediram a sua morte. Assim, na falta de uma história mais amena, a Igreja se viu forçada a fazer da lenda do deus Mitra a vida de Jesus.

Hipótese Quinta

Jesus ajudava o pai na carpintaria e trabalhava como pedreiro nas horas vagas. Como os jovens de sua idade faziam, mas não teve mulheres e nem se entregou a bebedeiras. Isso porque sofria de depressão profunda, o que o isolava de qualquer contato social. Perto de completar 30 anos, foi levado a um curandeiro que o aliviou definitivamente; possibilitando-lhe iniciar a sua pregação pelas terras da Judéia/Galiléia. 


Há indícios, no entanto, de que Jesus tenha sido um homem muito normal do seu tempo; tendo inclusive se casado e tido filhos.

Hipótese Sexta 

Jesus Cristo era um alienígena. Teoria defendida pelos escritores Erich von Däniken, Dom Pugliese, Brad Steiger eRandolph Winters. De acordo com esses autores,  o galileu chegou ao nosso planeta numa nave espacial, tomou a forma humana, evangelizou e depois foi embora. Este processo pode ter ocorrido em dois momentos: aos 12 e aos 30 anos. A Igreja procurou esconder tal fato para não provocar pânico e nem abalar as crenças instituídas.

Hipótese Sétima

Jesus não era de carne e osso, seu corpo era fluídico. Tese sustentada pelo advogado francês Jean Baptiste Roustaing(1805-1879), em seu livro "Os quatro evangelhos". Sendo fluídico, o messias só aparecia aqui nas ocasiões programdas para tal. Aos 12 anos ele sumiu e só voltou aos 30 para concluir sua missão. Por sinal, a publicação desse material fez com que a Federação Espírita Brasileira proíbisse os seus membros de abordar este assunto nas reuniões. Toda venda e divulgação dos livros de Roustaing foram canceladas pela FEB. Allan Kardec (1804-1869) e Roustaing eram inimigos declarados por causa das suas divergências sobre Cristo, Maria e a reencarnação.

Hipótese Oitava

Jesus tornou-se um peregrino. O pesquisador russo Nicholas Notovich (1858-?), autor do livro "A Vida Desconhecida de Jesus", afirma que o mestre nazareno passou 17 anos peregrinando pelo mundo. Neste período, visitou a Índia, o Tibete, a China, a Pérsia (atual Irã), Japão e a Inglaterra. Em cada lugar, ele teria convivido com autoridades de antigas tradições em busca dos ensinamentos de outras religiões e da cultura dos seus seguidores.

Hipótese Nona

Jesus é uma lenda essênia. Para o escritor ateu Alfredo Bernacchi, em seu livro "Sinto muito, Jesus Cristo não existiu" (2003), não há comprovação histórico-científica da existência do nazareno. Após pesquisar materiais em 156 sites, ele conclui que o Cristianismo e Jesus são produto de lendas relacionadas principalmente ao povo essênio.

Conclusão

Posso continuar a elencar diversas hipóteses advindas da minha imaginação, das minhas leituras ou da compilação de textos de autores tão inquietos quanto eu, mas isso não resolverá. Ademais, quem melhor pode elucidar estas dúvidas é o Vaticano, com seus milhares de documentos antigos e secretos. Portanto, não vou continuar com a minha hipoteseologia, pois tudo o que eu disser não passará de exogenesis de um ávido professor em busca da informação fidedigna.

Autor: Gesiel Albuquerque

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Mecânica Quântica

Estudo sobre premonição causa polêmica nos EUA

Matéria publicada no jornal Folha de São Paulo (on line) 13/01/2011
Link: http://noticias.bol.uol.com.br/ciencia/2011/01/13/estudo-sobre-premonicao-causa-polemica-nos-eua.jhtm

HÉLIO SCHWARTSMAN
ARTICULISTA DA FOLHA

A figura é insuspeita: Daryl J. Bem é professor emérito de psicologia social da prestigiosa Universidade Cornell, em Nova York. Também já lecionou em Harvard e Stanford, entre outras instituições de elite dos EUA.

Ele, entretanto, escreveu um artigo no qual afirma ter demonstrado a existência da percepção extrassensorial (PES), isto é, da capacidade de pressentir o futuro.

Bem relata nove experimentos nos quais colocou um total de 1.100 universitários para adivinhar o futuro.

Eles tinham de realizar tarefas como predizer se uma fotografia vai aparecer do lado esquerdo ou direito da tela do computador ou descobrir onde está a imagem erótica.

Em oito dessas nove situações, sustenta o psicólogo, os alunos se saíram um pouco melhor que o autorizado pelo acaso.

Para completar, o "paper" foi aceito para publicação pelo "Journal of Personality and Social Psychology", um dos mais influentes periódicos dos EUA nessa área.

Como não poderia deixar de ser, a notícia está causando polêmica. O "The New York Times" dedicou uma página especial com nove artigos de opinião sobre a suposta descoberta. As blogosferas cética e parapsicológica também estão agitadas.

Entre os cientistas mais ortodoxos, as opiniões também se dividem entre dois extremos: os que acham graça e os que estão furibundos.

Para os representantes da primeira categoria, é importante preservar a liberdade de acadêmicos seniores de investigar o que quiserem.

Além disso, não há mal na publicação de uma pesquisa assim, pois seus resultados não serão replicados por nenhum laboratório, e ela cairá no esquecimento, a exemplo de várias outras tentativas de dar credibilidade à parapsicologia. Por enquanto, três tentativas de reproduzir os experimentos fracassaram. Há outras em curso.

Cada vez mais presentes no mundo da ciência, os estatísticos têm sua própria linha de crítica. Um grupo liderado por Eric-Jan Wagenmakers, da Universidade de Amsterdã, foi convidado para escrever uma revisão na mesma edição da revista em que sairá o polêmico artigo.

Para os holandeses, o professor emérito errou ao tratar dados colhidos de forma exploratória com um instrumental estatístico concebido para confirmar hipóteses.

Ao fazê-lo, ele inadvertidamente superestimou as evidências contrárias à hipótese de que o fenômeno não existe.

Outros, porém, fazem críticas mais severas a Bem e, em especial, ao periódico que decidiu publicar seu artigo.

Para eles, a existência de PES é uma teoria extraordinária e, como tal, só poderia ser publicada num "journal" se fosse sustentada por evidências extraordinárias --o que não seria o caso mesmo se as conclusões de Bem fossem aceitas pacificamente.

Douglas Hofstadter, professor de ciência cognitiva da Universidade de Indiana, coloca o problema de forma veemente na página de debates do "New York Times".
"Se algo disso [a PES] fosse verdade, então todas as bases da ciência contemporânea ruiriam, e nós teríamos de repensar a natureza do universo. Por essa razão, publicar um artigo como esse é um ato muito grave."

Pelo menos no que diz respeito à natureza do universo, Hofstadter tem razão. Se a PES é uma realidade, então o futuro afeta o presente (retrocausalidade), o que torna urgente modificar todos os livros de física, segundo os quais o tempo é linear.

O professor Bem, é claro, discorda e, a exemplo de homeopatas e novos gurus, recorre à mecânica quântica para explicar seus achados

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

O código 666


Na bíblia, o código 666 faz referência ao selo conhecido como o número da besta. Segundo aquele livro, o profeta João teve várias visões em uma da quais ele via dois monstros sairem das profundezas do oceano e da terra com o objetivo de dominar e destruir a raça humana

No meio espiritualista, muitos esotéricos classificam esse número como sendo o da magia negra, ou o selo do apocalipse. De fato, o número 666 está relacionado ao número da besta. Não aquelas mencionadas no livro de João; mas sim, a uma entidade extremamente poderosa, na forma de egrégora, estreitamente ligada à criação da humanidade e à elaboração de vários universos, inclusive o nosso.

Muitos religiosos e espiritualistas, entretanto, veem a sequência 666 como algo terrível, por interpretarem os que (supostamente) carregam este "selo" como servos do demônio ou mancomunados com as forças das trevas. Os esotéricos dão a este número, inclusive, uma oposição energética denominada 999, representando as forças positivas e as conexões com a divindade do bem. Essa noção tem prevalecido desde os relatos bíblicos sobre surgimento daqueles monstros de chifres e com várias cabeças, cujo numeral 666 é calculado por João evangelista para atribuí-lo a um homem.

A maioria dos estudiosos desse tema ainda não percebeu o funcionamento desse mecanismo de representação arquetípica das energias do universo. Por isso, continuam a pensar que a disposição 666 simboliza o mal e o o evento 999, o bem. E ainda, alguns dão a essas forças ancestrais a denominação de loja negra e de loja branca respectivamente.

Na verdade, os numerais 666 e 999 estão sempre na mesma fluição, porque todos os selos fazem parte da mesma energia. Não há, nesse caso, força atuante do bem ou do mal; mas sim, as representações das centelhas divinas de cada obra da criação: humanos, animais, seres híbridos, elementais, aliens, plantas, planetas, galáxias, universos, entre outros. É importante destacar, no entanto, que o aparecimento de códigos repetidos, em qualquer circunstância, significa a ocorrência de problema nos micro e macro-universos.

A dinâmica quântica dos átomos e elétrons, no caos relativo da existência, se dá através de símbolos e números, cuja programação deve sempre emergir como manifestação cinética da vontade divina; embora, no sistema caótico, ela pareça desordenada. Ou seja, tudo no universo é movimento e como tal deve ser. Se alguma coisa vai mal, a energia deixa de agir livremente e passa a transmitir repetições e travamentos.

Os fluxos de energia deixam de ser transmitidos livremente e passam a ter um coportamento defeituoso, caracterizando problemas na sua transmissão, a partir da fonte. Tal situação bloqueia a conexão entre o Eu profundo (fonte) e a consciência objetiva, que se manifesta no plano da 3D. Assim, o indívíduo passa a sentir-se desconectado do universo e das outras criaturas, além de ser afastado da sua missão original. Imagine que a pessoa estava programada para ser médico nesta vida, porém, sua energia sofreu bloqueios. Dessa forma, ele dificilmente cursará medicina, ou se já tiver cursado, não se expandirá como deveria. Isto é, será um médico apagado; e consequentemente, não poderá servir, com mais ênfase, aos outros seres.

Para entender melhor esse processo, imagine um processador Intel Core funcionando a toda velocidade, fazendo todos os programas do computador trabalharem perfeitamente. De repente, tudo para, as páginas não abrem ou o sistema fica lento. Se o problema não for corrigido, a máquina ficará presa às repetições e aos travamentos dos arquivos.

De forma análoga, e preservadas as possíveis extemporaneidades, é dessa forma que a nossa energia matriz 3D se manifesta. Quando há um travamento, as partículas não se chocam e não interagem completamente, levando às chamadas falhas na raiz. Essas repetições e bloqueios geram sequências numéricas e símbolos desconhecidos do homem, porém, plausíveis de interpretação através das dízimas 1, 666..., 1, 999... (.) Mas podem ser, também, quaisquer dízimas; como 1, 222..., 1, 333..., 1, 444..., indefinidamente. Isto é, esses números repetidos significam um sinal de erro na matriz. A magia negra é uma arma capaz de gerar estes erros. Mas há outras formas de interromper a (des)ordem eletro-atômica.

Somos criados para gerar e expandir as energias com os nossos terminais cito-elétro-nucleares, co-criadores dos universos internos e externos; paralelos e imbricados. Quando alguém é atacado pela magia negra (verdadeira), por exemplo, a expansão da sua energia passa a sofrer falhas e, por conseguinte, a não fluir livremente. Essa falha pode ser representada por diversos códigos repetidos, indo de 1 a 9 através de dízimas periódicas intermináveis.

Além da magia negra, há uma força poderosíssima capaz de bloquear fluxos de energia e gerar códigos repetidos, travando a vida do indivíduo. Refiro-me à hipnose. Quero, entretanto, frisar que não estou a falar desta hipnose pirotécnica vista na televisão e em shows circenses. Falo do mesmerismo produzido por mentes e aparelhos altamente porderosos o suficiente para aleijar a alma de qualquer entidade conectada a eles.

A coisa funciona, mais ou menos, assim: os magos e/ou ETs descobrem todas as nossas fraquezas morais e as conexões energéticas entre as inúmeras fraternidades e nós, através do tempo. A partir daí, eles fabricam uma máquina emissora de forte vibração modulada na culpa e no medo, com a frequência da vítima, que fragiliza o ser e deixa-o acessível aos comandos hipnóticos do agressor. É assim que se faz, por exemplo, de uma entidade espiritual, um ovóide. Ou seja, ação de poderosa frequência hipnótica sobre uma mente torturada pela dor, pelo medo e pela culpa, causando deformação no seu corpo astral.

Os implantes, também, causam desgovernos nas forças vitais das centelhas divinas, gerando códigos 666 ou 999; ou, na representação matemática: 0, 666..., 0, 999..., 1, 323232...., 1, 414141....(.) A maioria deles costuma emitir frequências mórbidas que levam a criatura à depressão e à anulação da sua disposição para viver e transformar a sua realidade. Tais peças são provenientes de outras civilizações mais avançadas do que a nossa; e são difíceis de serem descobertas porque, muitos, são instalados a partir das infradimensões, onde o indivíduo se manifesta consciencialmente, ou em seus clones energéticos, os quais funcionam como ressonância vibracional, produzindo igual efeito destruidor.

Diante desta problemática envolvendo ataques e defesas psíquicas contra a energia proveniente da fonte divina em nós, fazendo-nos gerar códigos repetidos como o 333, 444, 555, 666 ou 999, devemos assumitr uma postura, ao meu ver, mais sábia e melhor avaliada, estrategicamente: trata-se da atitude de vigiar e orar (pelos outros e por nós próprios). Penso ser esta a melhor forma de ataque e defesa contra os que nos fazem mal gratuita e deliberadamente.

Autor: Gesiel Albuquerque