terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Ovóides astrais


Digo-lhes com profunda convicção e total discernimento que estes implantes são realmente terríveis e asquerosos. Ao contrário do que muita gente pensa, os ovóides nem sempre são espíritos endividados, tomados pela culpa ou pelo remorso, o que os levaria a perder a sua forma perispiritual e a transformar-se num corpo oval... e toda aquela história que vocês estão acostumados a ler. Saibam! Não se trata disso.

Os ovóides são ferramentas construídas por magos negros e ETs Zetas que, no silêncio e na invisibilidade, buscam implementar todas as formas de roubo de energia e de controle mental. Repito, estes seres são extremamente covardes e, literalmente, sem coração. A maioria deles trabalha de forma mercenária para entidades perversas da quarta dimensão, implantando objetos e sequestrando os alvos escolhidos. Em troca, recebem cápsulas de energia produzida pelas baixas emoções e prazeres humanos. Os zetas vêem estes fluidos como verdadeiros "manjares dos deuses", servindo-lhes de alimento rico em nutrientes para o seu organismo. Eles ingerem estas substâncias como autênticos viciados em drogas pesadas, injetando-as em algumas partes do corpo.

Sintomas:

A pessoa imantada por um ovóide sente, nas primeiras semanas, tonturas muito intensas iguais às típicas bebedeiras tomadas numa balada. O indivíduo vê o mundo rodar literalmente e passa a notar a sua energia sendo drenada como numa tubulação de água, vazando intensamente. Concomitantemente a isso, há ocorrências de náuseas e de enjôo por qualquer coisa, levando a um desconforto estomacal e à falta de apetite. Sempre que o alien faz a manutenção desta ferramenta, todas estas sensações se manifestam no implantado, juntamente com o estado depressivo, uma sensação de vazio na alma e vontade de morrer. Tais manifestações perduram por umas duas semanas.

O indivíduo apresenta estados depressivos mórbidos, quase incuráveis, inexplicáveis ao crivo da medicina e às opiniões alheias. Mesmo indo ao médico, nunca será detectado algo mais sério em seu organismo. Se houver, não estará relacionado ao ovóide ou terá sido preexistente à sua imantação. Entretanto, com o passar do tempo, a perda de energia e outras formas de ataque provocam distúrbios em órgãos do corpo físico, levando a vítima a adoecer e, até, a morrer.

Localização:

Geralmente, os ETs colam estas peças bem em cima das têmporas, ou em um dos lados da cabeça. Há casos em que eles as grudam nos chacras do umbigo ou do coração. Pode haver, também, a colocação delas próximo à região do cerebelo, ou ainda, com muita freqüência, nas costas. Não é difícil, porém, encontrá-los grudados na genitália ou no ânus.

O ovóide vai debilitando a vítima que, sem energia, sente-se enfraquecida e pode chegar à morte em pouco tempo. Isso depende muito dos intentos dos seus implantadores em relação ao implantado. Caso este possua algum merecimento espiritual, poderá ser encaminhado aos hospitais sagrados para que estas armas elipsoidais, que o enfraquecem tanto, sejam retiradas. Também depende do grau de envolvimento e merecimento da pessoa; às vezes, ela passa anos infestada por estes oviformes sem nunca suspeitar de nada.


Alvo dos ovóides:

Os alvos dos implantadores são, geralmente, desertores das fraternidades tenebrosas do mundo astral ou trabalhadores da luz, capturados em emboscadas milimetricamente planejadas pelas altas inteligências na arte de fazer o mal. No entanto, não há um padrão específico para estes ataques, qualquer um pode ser vítima destas armas. Para isso, basta que o seu fluido vital apresente alguma "qualidade interessante" para os ETs, e eles farão tudo para sugá-lo.

Este implante assemelha-se muito a uma "água-viva" grudada ao corpo energético. Em estágios mais avançados, parece um polvo cheio de tentáculos enfiados na cabeça do hospedeiro. Com o tempo, desenvolve ramificações que vão se aprofundando nos corpos energéticos, à procura de energia cada vez mais escassa, assim como uma planta espichando as suas raízes para o interior da terra em busca de água.


Autor: Gesiel Albuquerque