quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

O código 666


Na bíblia, o código 666 faz referência ao selo conhecido como o número da besta. Segundo aquele livro, o profeta João teve várias visões em uma da quais ele via dois monstros sairem das profundezas do oceano e da terra com o objetivo de dominar e destruir a raça humana

No meio espiritualista, muitos esotéricos classificam esse número como sendo o da magia negra, ou o selo do apocalipse. De fato, o número 666 está relacionado ao número da besta. Não aquelas mencionadas no livro de João; mas sim, a uma entidade extremamente poderosa, na forma de egrégora, estreitamente ligada à criação da humanidade e à elaboração de vários universos, inclusive o nosso.

Muitos religiosos e espiritualistas, entretanto, veem a sequência 666 como algo terrível, por interpretarem os que (supostamente) carregam este "selo" como servos do demônio ou mancomunados com as forças das trevas. Os esotéricos dão a este número, inclusive, uma oposição energética denominada 999, representando as forças positivas e as conexões com a divindade do bem. Essa noção tem prevalecido desde os relatos bíblicos sobre surgimento daqueles monstros de chifres e com várias cabeças, cujo numeral 666 é calculado por João evangelista para atribuí-lo a um homem.

A maioria dos estudiosos desse tema ainda não percebeu o funcionamento desse mecanismo de representação arquetípica das energias do universo. Por isso, continuam a pensar que a disposição 666 simboliza o mal e o o evento 999, o bem. E ainda, alguns dão a essas forças ancestrais a denominação de loja negra e de loja branca respectivamente.

Na verdade, os numerais 666 e 999 estão sempre na mesma fluição, porque todos os selos fazem parte da mesma energia. Não há, nesse caso, força atuante do bem ou do mal; mas sim, as representações das centelhas divinas de cada obra da criação: humanos, animais, seres híbridos, elementais, aliens, plantas, planetas, galáxias, universos, entre outros. É importante destacar, no entanto, que o aparecimento de códigos repetidos, em qualquer circunstância, significa a ocorrência de problema nos micro e macro-universos.

A dinâmica quântica dos átomos e elétrons, no caos relativo da existência, se dá através de símbolos e números, cuja programação deve sempre emergir como manifestação cinética da vontade divina; embora, no sistema caótico, ela pareça desordenada. Ou seja, tudo no universo é movimento e como tal deve ser. Se alguma coisa vai mal, a energia deixa de agir livremente e passa a transmitir repetições e travamentos.

Os fluxos de energia deixam de ser transmitidos livremente e passam a ter um coportamento defeituoso, caracterizando problemas na sua transmissão, a partir da fonte. Tal situação bloqueia a conexão entre o Eu profundo (fonte) e a consciência objetiva, que se manifesta no plano da 3D. Assim, o indívíduo passa a sentir-se desconectado do universo e das outras criaturas, além de ser afastado da sua missão original. Imagine que a pessoa estava programada para ser médico nesta vida, porém, sua energia sofreu bloqueios. Dessa forma, ele dificilmente cursará medicina, ou se já tiver cursado, não se expandirá como deveria. Isto é, será um médico apagado; e consequentemente, não poderá servir, com mais ênfase, aos outros seres.

Para entender melhor esse processo, imagine um processador Intel Core funcionando a toda velocidade, fazendo todos os programas do computador trabalharem perfeitamente. De repente, tudo para, as páginas não abrem ou o sistema fica lento. Se o problema não for corrigido, a máquina ficará presa às repetições e aos travamentos dos arquivos.

De forma análoga, e preservadas as possíveis extemporaneidades, é dessa forma que a nossa energia matriz 3D se manifesta. Quando há um travamento, as partículas não se chocam e não interagem completamente, levando às chamadas falhas na raiz. Essas repetições e bloqueios geram sequências numéricas e símbolos desconhecidos do homem, porém, plausíveis de interpretação através das dízimas 1, 666..., 1, 999... (.) Mas podem ser, também, quaisquer dízimas; como 1, 222..., 1, 333..., 1, 444..., indefinidamente. Isto é, esses números repetidos significam um sinal de erro na matriz. A magia negra é uma arma capaz de gerar estes erros. Mas há outras formas de interromper a (des)ordem eletro-atômica.

Somos criados para gerar e expandir as energias com os nossos terminais cito-elétro-nucleares, co-criadores dos universos internos e externos; paralelos e imbricados. Quando alguém é atacado pela magia negra (verdadeira), por exemplo, a expansão da sua energia passa a sofrer falhas e, por conseguinte, a não fluir livremente. Essa falha pode ser representada por diversos códigos repetidos, indo de 1 a 9 através de dízimas periódicas intermináveis.

Além da magia negra, há uma força poderosíssima capaz de bloquear fluxos de energia e gerar códigos repetidos, travando a vida do indivíduo. Refiro-me à hipnose. Quero, entretanto, frisar que não estou a falar desta hipnose pirotécnica vista na televisão e em shows circenses. Falo do mesmerismo produzido por mentes e aparelhos altamente porderosos o suficiente para aleijar a alma de qualquer entidade conectada a eles.

A coisa funciona, mais ou menos, assim: os magos e/ou ETs descobrem todas as nossas fraquezas morais e as conexões energéticas entre as inúmeras fraternidades e nós, através do tempo. A partir daí, eles fabricam uma máquina emissora de forte vibração modulada na culpa e no medo, com a frequência da vítima, que fragiliza o ser e deixa-o acessível aos comandos hipnóticos do agressor. É assim que se faz, por exemplo, de uma entidade espiritual, um ovóide. Ou seja, ação de poderosa frequência hipnótica sobre uma mente torturada pela dor, pelo medo e pela culpa, causando deformação no seu corpo astral.

Os implantes, também, causam desgovernos nas forças vitais das centelhas divinas, gerando códigos 666 ou 999; ou, na representação matemática: 0, 666..., 0, 999..., 1, 323232...., 1, 414141....(.) A maioria deles costuma emitir frequências mórbidas que levam a criatura à depressão e à anulação da sua disposição para viver e transformar a sua realidade. Tais peças são provenientes de outras civilizações mais avançadas do que a nossa; e são difíceis de serem descobertas porque, muitos, são instalados a partir das infradimensões, onde o indivíduo se manifesta consciencialmente, ou em seus clones energéticos, os quais funcionam como ressonância vibracional, produzindo igual efeito destruidor.

Diante desta problemática envolvendo ataques e defesas psíquicas contra a energia proveniente da fonte divina em nós, fazendo-nos gerar códigos repetidos como o 333, 444, 555, 666 ou 999, devemos assumitr uma postura, ao meu ver, mais sábia e melhor avaliada, estrategicamente: trata-se da atitude de vigiar e orar (pelos outros e por nós próprios). Penso ser esta a melhor forma de ataque e defesa contra os que nos fazem mal gratuita e deliberadamente.

Autor: Gesiel Albuquerque

9 comentários:

  1. Ninguém nunca explanou sobre a besta do apocalípse desse jeito. O que eu estranho é não ter muitos comentários sobre este tema. Será que este artigo calou a boca dos metidos a sabe-tudo?

    João Santana/SC

    ResponderExcluir
  2. issu tdo é mentira.. a biblia é clara e Ñ MENTE.. esse 666 é o numero da besta SIM.. e ñ existe numero da sorte.. é tdo uma MENTIRA para confundir quem naum conhece biblia!!! A BIBLIA NAUM MENTE... se vc naum aceitar JESUS CRISTO como UNICO SALVADOR da sua vida vc ja esta condenado.. na biblia diz " akele que cre em mim e for batisado sera salvo mas aquele que naum crer ja esta condenado" e nela esta escrito tbm " e akele ki naum for encontrado no livro da vida este sera lançado no lago de fogo" vc deve ser mais um desses ki naum acredita em biblia ou ate mesmo um satanista desculpe mas isso é o ki realmente penso .. e se naum acredita em biblia naum acredita em DEUS... entaum antes de publicar essas coisas ai, procure se informar melhor.. e lembre-se NUNCA É TARDE PARA ACEITAR JESUS CRISTO COMO UNICO SALVADOR DA SUA ALMA!!!!

    ResponderExcluir
  3. Gesiel, sensacional a forma que encontrou para explicar a energia dos números repetidos em modelo binário. Seria bom expandir um tema abordado no texto que são os implantes energéticos.
    Abraços de Luz.

    Renato Dias. BH/MG

    ResponderExcluir
  4. Caro Renato,

    Agradeço o seu comentário e convido-o a dar uma olhada em outros artigos meus que falam sobre os implantes astrais; tanto neste blog quanto no site www.stum.com.br.

    ResponderExcluir
  5. Na verdade 666 refe-se sim a besta fera a bíblia livro sobre todos os livros relata isso(varias autoridas baseavam na propria biblia para governa sua nação)por isso tem veracidade e prova isso por acontecerem muitas coisas nos dias atuais que ja tinham na biblia.Conciente disso penso que ja contribuir para seu novo documentario não?Então fica ai a dica.

    Rosivaldo Almeida
    Engenheiro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Rosivaldo,

      Contribuiu sim; embora tenhamos posições diametralmente opostas.

      Excluir
  6. Olá profº Gesiel!Parabéns pelo texto! Com certeza é a melhor explicação que já li sobre o enigmático símbolo numérico 666! Podemos tb fazer uma analogia com os velhos discos de vinil que quando ficavam riscados, e consequentemente estragados, passavam a trancar e a repetir indefinidamente o trecho da música onde estava o estrago. É tudo muito complexo, mas penso que a era do apocalipse, que em grego quer dizer "a queda dos véus" já chegou, o que propicia a que nós tenhamos mais acesso a tantas explicações esclarecedoras, e tb estarrecedoras, a respeito destes multiversos que nos cercam e que nos atingem de diversas formas. SORAYA/POA/RS

    ResponderExcluir
  7. Oi Soraya,

    Os "veus" precisam mesmo cair para que o ser humano consiga compreender a sua real natureza e signifcação neste universo.
    Paz e luz pra ti.
    Prof. Gesiel

    ResponderExcluir
  8. A apometria é o tratamento que melhor se encaixa nestes casos. Vale ressaltar que estes ataques nem sempre são gratuitos, pois quem não deve não teme! Há sempre o fator merecimento envolvido e nenhuma hipnose iria funcionar em uma consciência isenta de culpas do presente ou pretéritas. Tais sofrimentos acabam servindo para despertar o indivíduo atingido para a necessidade de evangelizar-se. Seria interessante que tais informações fossem mais divulgadas, mas parece que poucos tem interesse, ou porque não são atingidos ou talvez por que estejam hipnotizados para nunca atinarem com nada e serem sempre ceticos, o que aliás é bom para nossos inimigos.

    ResponderExcluir

Ao comentar, coloque seu nome e a localidade.