sexta-feira, 11 de março de 2011

O planeta Terra


Precisamos cuidar mais do nosso planeta. Os sinais são claros quanto ao retorno que a Natureza nos dá para a destruição desmedida das terras, do ar, da água, da fauna e da flora. É preciso sentir, lembrar, perceber e alertar que esta casa é de todos nós, e como tal, responsabilidade de cada um. Ou cuidamos desse planeta ou ele não resistirá a tantas agressões!

Pare e pense um pouco. Você gosta de viver numa casa feia, suja ou caindo aos pedaços? A maioria das pessoas dirá que não, pois todos queremos conforto, segurança e qualidade de vida. Daí surge a necessidade de lembrar que a Terra é a nossa residência coletiva e, por isso, devemos fazer o possível para mantê-la limpa, saudável e habitável.

Assim como temos o direito de usufruir de todo esse patrimônio orgânico-natural deixado pelos nossos ancestrais, as gerações futuras merecem também que deixemos para elas um planeta cheio de vida e beleza. Infelizmente, pelo que tem acontecido, não será essa a herança que irão receber. 

Autor: Gesiel Albuquerque

Paulo Coelho (II)


(I)

Diz o mestre:

A palavra é poder. As palavras transformam o mundo e o homem. Todos nós já escutamos dizer: “não se deve falar das coisas boas que nos acontecem, pois a inveja alheia destruirá nossa alegria”.

Nada disso. Os vencedores falam com orgulho dos milagres de suas vidas. Se você coloca energia positiva no ar, ela atrai mais energia positiva – e alegra aqueles que realmente lhe querem bem.

Quanto aos invejosos, aos derrotados – estes só poderão lhe causar algum dano se você lhes der este poder. Não tema. Fale das coisas boas da sua vida para todos que quiserem ouvir. A alma do mundo precisa muito de sua alegria

(II)

Feche os olhos. Não precisa sequer fechar os olhos. Basta imaginar a seguinte cena: um bando de pássaros voando. OK, agora me diga quantos pássaros você viu. Cinco? Onze? Dezessete?

Seja qual for a resposta – e dificilmente alguém sabe dizer com exatidão o número exato – alguma coisa fica bem clara nesta pequena experiência. Você pode imaginar um bando de pássaros, mas o número de aves fugiu ao seu controle. Entretanto, a cena era clara, definida, exata e, em algum, lugar, existe a resposta para esta pergunta.

Quem definiu quantos pássaros deviam aparecer na cena? Você não foi.

Autor: Paulo Coelho