Salto Quântico Existencial: a mecânica da cura

O termo quântico tem estado em evidência faz algum tempo. Isso porque diversos ramos do conhecimento adotaram, e até transformaram, métodos, teorias e práticas de cura em um novo arcabouço conceitual, deliberadamente oposto aos procedimentos tradicionais. Tem sido assim com a cura quântica, apometria quântica, terapia quântica, entre outras.

Muito bem! Este, no entanto, não é o mote do texto que lhes ofereço para apreciação. As questões a levantar aqui são: o quanto sabemos sobre física quântica? Como explicar os fenômenos da existência e o possível acesso as dimensões paralelas? E como utilizar os seus princípios nos processos de cura? Acredito que poucos saibam. Muitos até utilizam a palavra "quântico" por entender que ela dá um tchan a mais à forma do tratamento terapêutico. Entretanto, possuem uma noção simplória sobre a real manifestação da natureza quântica da criação.

Ocorre que a Física Quântica merece maior atenção da nossa parte, pois é uma descoberta sem igual capaz de nos inserir no terceiro milênio, conscientes da nossa natureza orgânica, não apenas composta de carne e osso, e por não estarmos presos indefinidamente à suposta previsibilidade e terminalidade da vida; isto é, eternamente estacionários na grande obra.

O físico alemão Max Planck (1858-1947), tentando entender a energia do espectro da radiação térmica, representada por ondas eletromagnéticas, produzidas por organismos emissores de calor a uma certa temperatura, conseguiu elaborar a equação conhecida como Constante de Planck, cuja fórmula é: Δε = h.ν. Sendo h a constante de proporcionalidade com valor igual a 6, 63×10-34J.s. Tal descoberta estremeceu as bases da física ortodoxa.

Somando-se a essa descoberta, o físico austríaco Erwin Schrödinger (1887-1961) propôs uma equação diferencial (HY=EY) construída com base no modelo atômico do físico dinamarquês Niels Henrick David Bohr (1885-1962), tomando como suporte as ideias quânticas de Planck.

A equação de Schrödinger representa a base das formulações mais empíricas da física quântica e descreve (ou descobre) o comportamento de uma partícula ondulatória a nível atômico. Esta equação se fundamenta num modelo atômico completamente baseado em ondas estacionárias o qual dá suporte às teorias modernas da física e da química.

A Constante de Planck e a equação de Schrödinger marcaram o surgimento e fortalecimento da Mecânica Quântica, também chamada de Física Quântica, que se propunha a estudar a radiação térmica das partículas aquecidas nas camadas atômicas e subatômicas.

Qual é a idéia central dessa teoria? Observe. Um elétron, quando aquecido, passa do nível 1 ao 2, depois do 3 ao 4, até chegar ao último. No entanto, jamais passará pelos níveis subjacentes das camadas. Dessa forma, a energia estará quantizada, isto é, a partícula terá dado um salto quântico de um valor para outro.

A teoria quântica é a base de inúmeros experimentos tecnológicos a serem utilizados nos próximos anos. Em nosso cotidiano, lidamos com várias tecnologias sem imaginar que elas são projetadas com base nos conceitos da quantização energética. Cito, por exemplo, o computador, os aparelhos de DVD e CD, rádio, telefone celular, entre outros.

A Física Quântica envolve conceitos de corpos com pequeníssima massa que integram corpos maiores, e a radiação eletromagnética invisível a olho nu; precisando apenas do espaço vazio para se propagar.

O salto energético mencionado aqui serve para entendermos que, sendo um aglomerado de decilhões de átomos, podemos, também, pular quanticamente para outras dimensões, já que a nossa frequência elétrica se manifesta em realidades estranhas, por enquanto, à atual 3D.

O nosso poder está em imaginar. O físico e humanista alemão Albert Einstein (1879-1955) entendia a imaginação como algo mais importante que o conhecimento. Penso que, através dela, podemos transcender a dualidade, indo para outras realidades sem sairmos, em tese, do corpo físico.

Esta constatação pode ser feita aí, agora, entre a visualização de uma cena e as formas como você a enxerga em movimento. Sua vontade representa o calor a estimular a matéria atômica das suas imagens. E lhe permitirá acessar todo e qualquer registro na sequência temporal. Não importa se é boa ou ruim, ou como irá afetar o universo. Energia é energia.

Veja! Tudo que fazemos e conquistamos nasce primeiramente onde? Na imaginação. Pode chamá-la de ideia. Exemplo: você quer comprar um carro sofisticado, mas não tem o dinheiro suficiente. Passa, então, a imaginar aquele veículo e a se ver nele, visualizando detalhes como cor, estofamento e o sistema de som. Num determinado momento, o dinheiro, ou as condições para consegui-lo, surgem do nada; e, em pouco tempo, você está a bordo de um veículo idêntico ao que tanto sonhou. Numa dimensão simultânea, não se engane, isso já está ocorrendo. Na 3D, o fato apenas se materializou.

Outro exemplo: na infância, você idealiza a mulher ou homem dos seus sonhos, e também a sua casa e profissão. Na fase adulta, olha você morando na casa que sonhou, ao lado da pessoa idealizada e na profissão almejada! Sabe por que tudo isso se realizou? Porque já estava criado numa outra dimensão. Quem criou? Você, que já está lá desde criança.

Partindo do princípio quântico, podemos mudar as nossas vidas, quantizando os nossos pensamentos e viajar, simultaneamente, a todas as dimensões, e em todas as eras, em busca de respostas e ativação da cura. Importante lembrar que passado e futuro são uma invenção humana, pois o tempo é sempre o mesmo: o agora.

Dessa forma, podemos mudar a nossa realidade no tempo e nos espaço, apagando e reinstalando novos preceitos e conceitos, cortando laços com lugares, pessoas e situações negativas, destruindo as energias magnéticas invertidas, imantadas em nossos corpos, e chegarmos à causa do problema para curá-lo e nos curarmos. Para tanto, só precisamos agir com a imaginação.

Autor: Gesiel Albuquerque
Foto copiada de: http://www.infoescola.com/fisica/constante-de-planck/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esclarecimentos enviados por Rodrigo Romo

Rodrigo Romo é uma farsa

Anjos, deuses e equívocos