sábado, 22 de maio de 2010

Atenção humanos!


Todo o sofrimento da raça humana encontra resposta numa única palavra: pacto. É isso mesmo! Não se assustem! Existem seres controladores da humanidade, contra a qual estabeleceram alguns pactos de servidão e obediência. Os humanos sofrem muito; embora não precisem. Esse sofrimento se dá pela forma como todos são manipulados energética e geneticamente.
Não pensem que estão aqui para cumprir um “karma” com vistas a expurgarem os seus “pecados” e irem para luz. Os seres da luz não exigem isso! Eles conhecem muito bem a humanidade. Mais do que ela mesma se conhece. Isso é uma lavagem cerebral construída nos laboratórios das trevas e mantida no planeta Terra por diversas doutrinas, a pretexto de consolarem as dores humanas pelo sofrimento que passam em suas existências.
Muitos encarnados neste orbe já estiveram, ou ainda estão manifestados em dimensões e tempos aquém ou além do atual. Boa parte do que eles sofrem é resultado do que já passaram ou ainda passam - em termos de manipulação energética - através de cirurgias, implantes, magia negra e falsas crenças. Tudo isso ocorre por dois motivos resumidamente: controle e alimentação.
O controle se dá pela manipulação das consciências humanas para que estas não despertem para a sua verdadeira realidade e venham a descobrir o seu infinito potencial divino.
A alimentação deles ocorre através dos diversos aparelhos e seres horripilantes implantados nos corpos astrais dos humanos, e da manipulação hipnótica para que estes liberem as energias de baixíssima vibração sintonizadas com o ódio, o sexo, a maledicência, etc.
Enquanto não se despertar para o poder divino que lhe habita, o ser humano continuará a ser um joguete lunático nas mãos dos habilidosos engenheiros e cientistas das sombras, alimentando-os e fortalecendo os laços de escravidão com eles, habitantes dos reinos sujos, ansiosos para dominar a humanidade por completo. Infelizmente, não estão longe disso!
Os humanos não são, de todo, vítimas indefesas e inocentes. Muitos aqui encarnados visitam suas bases trevosas ao dormirem para receberem ou fortalecerem as instruções dos comandantes tenebrosos. Quando voltam ao corpo físico, disseminam a discórdia, o ódio, a angústia, a dor, entre outros sofrimentos. Eles fazem isso de maneira ostensiva - com conflitos, guerras e preconceitos declarados; ou através da dissimulação através das pregações, da maledicência, das doutrinas, da mídia, etc.
As hierarquias de luz não poderão fazer muito se a humanidade não der o primeiro passo. Romper com os pactos significa começar a longa jornada para a luz. Estamos falando de processos que levarão muito tempo, e isso precisa ter início já; não no corpo físico, mas sim, no mundo astral, onde estão as verdadeiras existências dos terráqueos.

Comandante LaksTondri
Da Quinta Estrela de Nefridon

Canalizado por Gesiel Albuquerque

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Implantes astrais (importante)

Para entender o que são os aparelhos parasitas, é necessário passar rapidamente sobre a definição de corpo astral, pois grande parte das estruturas astrais que são introjetadas na aura da pessoa, tem como base o corpo astral dentro de alguma desarmonia existente nele.
O corpo astral, mediador plástico, considerado como o corpo dos desejos e das emoções, já era estudado desde épocas remotíssimas, nos continentes perdidos da Lemúria e da Atlântida. Ao contrário do homem da era atual, nas raças mais antigas da Lemúria e Atlântida, homens e mulheres possuíam percepção direta do corpo astral, pois sua visão astral era livre a todos, além da produção de fenômenos psíquicos. Uma terminologia bem variada classifica e descreve o corpo astral de diferentes modos. Os egípcios antigos chamavam de “Ka”, os gregos de “Eidolon”, os neoplatônicos de Alexandria o chamavam de “Astroiedes”, os romanos de “imago”, os Hebreus antigos chamavam-no “Nephesh”, na Teosofia “corpo astral”, os rosacruzes da AMORC chamam de “corpo psíquico”, na projeciologia é denominado “psicossoma”, alguns parapsicólogos o chamam de “corpo bioplasmático”, e assim por diante.
Implantes ou dispositivos de limitação espiritual são estruturas energéticas astrais ou mentais depositadas nos corpos espirituais dos portadores que possuem funções específicas de influência afetando a energia e a consciência dos seres. Os implantes têm finalidades positivas ou negativas, de elevação ou degradação. Servem muitas vezes para imprimir valores, crenças, idéias fixas, vibrações densas, aprisionamento da consciência, limitação da visão espiritual, bloqueios, vícios, compulsões, etc. Os implantes têm como objetivo o controle dos corpos sutis e o acesso destes aos planos superiores.
Greg Mize escreveu uma mensagem canalizada onde conta mais detalhes sobre esses implantes e ensina um método de retirada deles. Nesta canalização, ela define os implantes da seguinte forma:
Os implantes e dispositivos de limitação espiritual são barreiras vibratórias no caminho da ascensão que bloqueiam seu progresso para a plena auto-realização. Eles bloqueiam seu caminho colocando vendas e criando falsas realidades em sua consciência e, portanto, limitando o seu acesso para seu Eu Superior. Estes são mecanismos de controle externo das Forças Escuras que mantém você numa realidade dual. Ainda que haja muitos tipos, propósitos e causas, todos atuam como canais inconscientes de energia negativa em sua vida e representam laços cármicos e associações que necessitam ser curadas e retificadas.
Alguns implantes mais profundos passam de uma encarnação a outra e podem continuar influenciando a pessoa e mantendo-a num nível de consciência superficial e artificial, onde ela passa a vibrar numa freqüência que não permite que as energias mais elevadas cheguem até ela. Implantes são como centros de controle de nossa consciência, colocados com o objetivo de limitar para controlar, ou até mesmo, dividir para conquistar. O ser fica fragmentado de si mesmo e esses fragmentos opõem-se mutuamente e geram cansaço. Além disso, os implantes também visam sugar as energias vitais do ser para a utilização em fins escusos e menos nobres. No plano astral, o principal “combustível” da manutenção do corpo astral é a energia e essa vai se esgotando ao longo do tempo, necessitando de uma renovação para que seja possível manter a coesão do sistema de energia do corpo astral. As implantações variam enormemente de acordo com os criadores e tem inúmeros métodos e funções particulares.
Alguns implantes são ineficazes em algumas pessoas. Geralmente em pessoas dotadas de vontade forte e de energia elevada, fundamentados na vida cósmica e no contato com os planos superiores, eles não conseguem entrar ou permanecer. Pessoas boas, caridosas, que não procuram dissimular seus problemas e levam uma vida regrada, sem vícios físicos e emocionais são menos suscetíveis aos implantes. Isso ocorre por que os implantes só são colocados por sintonia em nossas brechas. Os seres que os utilizam procuram conhecer nossas fraquezas e pontos que somos mais sensíveis e, com base nesse conhecimento, conseguem estabelecer a sintonia deste dispositivo com nosso campo mento-magnético. Muitas vezes os implantes são colocados em momentos de raiva, medo ou qualquer emoção negativa. Nossa vibração baixa e ficamos vulneráveis à investida das forças do “caminho da mão esquerda”.
Apesar da teoria original da TVP não aceitar a existência desses implantes, nossa prática clínica com Regressão e nosso estudo e aplicação da Apometria nos levaram a aceitar os implantes como uma realidade, dado o grande número de casos em que constatamos melhoras em quadros clínicos serevos após a retirada desses dispositivos. Estes são chamados na Apometria de “Aparelhos Parasitas”. Na ufologia esotérica, são denominados “chips” ou “implantes”. Talvez o nome mais geral e esclarecedor seja “dispositivos de limitação espiritual”. Tanto em nossa prática de TVP quanto em nosso grupo apométrico sempre procuramos identificar se os atendidos possuem esses aparelhos. Esses aparelhos são de diversos tipos, tamanhos, formas e funções. Geralmente são colocados por espíritos obsessores que detêm essa tecnologia astral, ou por magos negros, que são grandes conhecedores de como se pode plasmar e condensar energias deletérias e gravar no psiquismo do encarnado.
Há implantes em encarnados e em desencarnados. O objetivo dos implantes é estabelecer algum tipo de vibração no seu hospedeiro. O Aparelho pulsa continuamente a energia numa determinada freqüência mais densa, e isso ajuda a manter o obsedado num patamar vibratório inferior. Em muitos casos, os aparelhos permitem agir sobre uma pessoa à distância, atuar nela sob comando e torna-la presa fácil de sugestões mentais. São também grandes causadores de dores físicas e psíquicas, podem até mesmo provocar doenças. Muitas vezes, as entidades que os colocam agregam entidades malignas, ou entidades que também são controladas por implantes, para preservar e fazer a manutenção desses aparelhos em algumas pessoas. Nesse caso, durante a TVP não devemos apenas retirar esses aparelhos gravados no psiquismo, mas também procurar tratar essas entidades e esclarece-las sobre suas ações, além de retirá-las do estado de auto-Hipnose que os implantes podem provocar.
Algumas vezes, os aparelhos parasitas não são colocados apenas na pessoa, mas também em lugares próximos, onde seria mais difícil serem detectados. Podemos encontrar os aparelhos na casa da vítima, na parte externa da casa, em animais e até em plantas. Na verificação corrente de aparelhos no psiquismo do encarnado ou do desencarnado, o grupo apométrico pode sempre averiguar se a casa está portando algum desses aparelhos.
Há ainda situações mais complexas que merecem ser citadas aqui. Alguns grupos de ufologia esotérica defendem que existem também os implantes extraterrestres. Conta-se que, após guerras entre diversos povos de localidades diferentes do Universo, os perdedores receberam mecanismos de implantação muito sutil que podem permanecer até hoje em seus níveis de energia. Muitas vezes ocorreu de matarem o corpo físico do ser e, após seu nascimento num outro corpo e às vezes num outro planeta, encontrava-se sem memória e sem poder.
Autor: Hugo Lapa