sábado, 14 de dezembro de 2013

Você diz amém, eu digo além

É certo que todos os ajoelhados sabem, que é você, sozinho, quem te dá a sua liberdade e tira as próprias correntes que você mesmo criou através de suas crenças. E quem ainda busca e permanece de joelhos e dependente de algo que não seja o que vem de dentro de você, tem que admitir: o seu comportamento é a crença que te acorrenta cada vez mais.
É raro uma personalidade admitir as suas crenças e dependências. As justificativas elaboradas pela própria personalidade, iludem o covarde de si para permanecer de joelhos e dizendo amém. Pra quem? Responda-se, pra quem?
Relembro: os seus atos e as suas buscas descrevem as suas dependências. Se você ainda não se tornou a SUA fonte, reconheça como você está: de joelhos, dependente e iludido sonhando com uma solução de um fim global para a sua incapacidade de eliminar as suas próprias correntes.
Autor: Antonio Magalhães

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

O selo 666: a Besta

       
No texto do Apocalipse a besta são animais que surgem da terra e outro do mar, com feições horripilantes e grande poder de manipulação. O terráqueo que não tiver inscrito em seu corpo (físico ou espiritual) o nome, o número ou a marca dessa besta não poderá fazer absolutamente nada neste mundo, não importa que seja rico, pobre, escravo, liberto, grande ou pequeno.

Tirando a parte floreada da escritura bíblica, é preciso dizer que esse fato é verdadeiro e que, infelizmente, a esmagadora maioria dos humanos está selada por essa fraternidade controladora das dimensões paralelas, a organização 666. Quem controla esse universo há trilhões de anos é ela, mesmo antes de vivermos na Terra. 

Não se assustem com isso e nem se preocupem, pois quem carrega o tal selo viverá normalmente até a sua morte física, como soldado da ativa ou da reserva, em alguns casos; e será chamado a agir em determinadas circunstâncias. E todos agem, sem pestanejar, e às vezes, sem sequer perceber. Até os que se dizem inimigos da besta 666 pertencem a ela, e com ela comungam planos, ações, estratégias de controle e ataques aos "infiéis".
 
A marca da besta está em todos os humanos porque fomos criados (ou cultivados?) por seres dessa organização. A forma deles agirem supera a capacidade de compreensão humana e oblitera todos os nossos sentidos e percepções para que nunca venhamos a descobrir verdadeiramente que somos escravos. Muitos pressentem isso, mas não conseguem traduzir esse pressentimento em palavras. E ai daquele que tentar fugir! Ai daquele!
 
O selo 666 está em todos os lugares: nas marcas e nos desenhos dos carros, nos nomes de lojas, pessoas, números das casas e das repartições públicas e empresas. De alguma forma, a pessoa tem de carregar essa marca. Quando não, o seu nome ou o número, que se encontra disfarçado muitas vezes nos nomes e desenhos que mencionei.
 
Não pensem que a marca da besta é visível. O número pode até ser, mas a marca não. Ela fica gravada como um código de barras no corpo espiritual-energético do indivíduo. Todos, no entanto, percebem-no com os seus olhos espirituais inconscientes. Por isso a nossa sociedade tem essa formatação: estrutura hierarquizada e dominadora totalmente voltada à tecnologia de controle. Você já se perguntou por que há ricos, pobres, mendigos, doentes, sadios, pretos e brancos? Já se perguntou por que tanta gente, que não merece, e tem tudo e as que merecem não têm nada?
 
Para os maiorais dessa fraternidade, morte, vida, dor, sofrimento, ganhos e perdas fazem parte do mesmo pacote. Para eles, todos têm que sofrer, assumir sacrifícios, servir e executar o seu papel aqui na Terra ou nas outras dimensões. Portanto, ninguém é inocente. Mesmo que seja o homem mais rico ou o mais pobre deles. Não importa que seja religioso, ateu, preto ou branco, e por aí segue.
 
Em síntese, todos somos agentes dessa organização e somos controlados pelas crenças implantadas em nós pelos seus poderosos cientistas. Somos para esses maiorais do selo 666 o que o gado é para o fazendeiro.   
 
Depois eu falo mais. Se quiser, comente.

Autor: Gesiel Albuquerque

sábado, 21 de setembro de 2013

A terrível magia negra


A magia negra é uma forma terrível de ataque. Ao falar dela, não me refiro aos feitiços encontrados em encruzilhadas ou próximos a cemitérios. Esses emolumentos são também magia negra, mas mexem primordialmente com forças elementais da natureza e entidades perdidas no mundo interdimensional; ou seja, espíritos de gente morta.
          Ao falar dessa força, estou a me referir a uma forma muito mais poderosa de manipulação, influenciação e controle realizado por magos negros, não-humanos e alienígenas. Estes seres sabem e podem manipular energias densas de alto poder destrutivo, capazes de inviabilizar a vida de uma pessoa por diversas encarnações.
       Essa magia ainda é muito pouco conhecida dos seres humanos, embora muitos estejam sob a influência dela sem sequer perceberem. As ferramentas mais utilizadas nessa modalidade são a hipnose, os implantes e a clonagem. Uma vez realizadas, a pessoa perde a força de vontade, se enfraquece energeticamente e cai facilmente sob controle dos seus algozes, tornando-se uma presa capturada. Dificilmente ela se liberta desse julgo maligno

 
Autor: Gesiel Albuquerque

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

O poder dos pactos



            Muito se fala contra os pactos; e quem fala se esquece de que está aqui devido justamente aos pactos. Todos nós assumimos algum tipo de pacto, acordo, voto de obediência ou contrato. Tudo em nossa vida começa a partir de um pacto.

            Se você começa a trabalhar numa firma, vai ter de fazer com essa firma um pacto de obediência às suas regras, de prestação dos seus serviços, etc. Se você vai se casar, terá de dizer sim è pessoa com qual estará em núpcias e assumirá um pacto de estar com ela até “que a morte os separem”. Na maioria das vezes ninguém obedece.
            Leio constantemente em parabrisas de veículos frases do tipo: “Deus é fiel”, “Querendo Deus, quem impedirá”, etc. Todas representam uma relação de servidão a esse Deus para obter dele a proteção e a prosperidade.

            Vejam, portanto, que somos fruto do pacto. Pacto é aceitação e submissão. E não estou a me referir sobre os pontos negativos ou positivos. Cada um sentirá depois a cobrança, pois o pacto implica uma retribuição futura ou simultânea.
            O problema, portanto, não é o pacto, mas a forma como ele é realizado e com quem pactuamos algum compromisso. A depender desses dois fatores, se torna quase impossível se libertar dos compromissos com quem nos deu algum "presente". Digamos assim que eles se tornam impagáveis. Qual é a conseqüência? Subserviência e escravidão eterna.
Muitos pactuantes acreditam terem feito acordo com Deus, quando na verdade, se vincularam a outras forças muito poderosas e exigentes. Por isso é tão comum vermos tantos desmoronamentos emocionais, sentimentais, espirituais, materiais e conscienciais das criaturas humanas.

Há pessoas que têm suas vidas travadas, bloqueadas e são impedidas de viverem por si. Sabe por que? Porque elas não serviram a contento aos seus chefes, ou eles não precisam mais delas. E aí elas são descartadas, humilhadas e desprezadas. E se alguém tentar fugir do compromisso assumido...? Este verá o inferno da forma como realmente ele é.
 
Autor: Gesiel Albuquerque

domingo, 4 de agosto de 2013

Rodrigo Romo é uma farsa

Sobre esse cidadão não tenho muito a escrever. Apenas devo confirmar uma realidade: ele é uma farsa. E juntos estão vários seguidores alucinados, achando que ele tem poderes especiais.

Não o recrimino tanto porque ele não força ninguém a nada. Apenas ilude os incautos com suas falações e cantorias chamadas de iniciação. Aliás, para um suposto iniciado, é bem nervosinho. Ele disse certa vez que quando fica estressado, se enfia no meio do mato e fica lá sozinho, por vários dias. Eu hein!

Rodrigo Romo não gosta do contato com as pessoas, e não esconde isso de ninguém. Durante os seus cursos, ele procura manter o máximo de distância possível dos participantes. Suas explicações só convencem a quem já está convencido das coisas infantis que ele expõe.
A cada curso de final de semana aqui no Brasil, Rodrigo Romo embolsa cerca de 20 Mil Reais (O preço fica entre R$ 500,00 e R$ 550 por pessoa). O que dá uma média de 80 Mil por mês e quase Hum Milhão por ano. Isso sem incluir a vendagem de livros, CDs, DVDs e cursos no exterior que, somados, lhe rendem mais de Dois Milhões por ano.
Nada mal para um palestrante que investe quase nada e obtém um altíssimo retorno financeiro. Vê-se que o tema "espiritualidade" dá muito lucro, e como dá. Resta saber se ele declara toda essa dinheirama à Receita Federal, e sob qual justificativa. Que o diga Carina Greco, sua discípula.

Não tenho nada contra quem gosta do Rodrigo, e nem o conheço pessoalmente no dia a dia. Só estou expondo a minha opinião com base no curso que fiz com ele (Método Voronandeck), nas suas atitudes e espertezas como palestrante. O que me fez chegar a essa conclusão: trata-se de uma farsa.

Autor: Gesiel Albuquerque


quarta-feira, 13 de março de 2013

Rota de colisão


Alguém já se perguntou como tem sido frequente a passagem de asteróides próximos ao nosso planeta? O mais preocupante disso é o pequeno intervalo de tempo entre uma ocorrência e outra. A NASA, em pelo menos dois casos, sequer conseguiu registrar com antecedência a chegada dessas pedras espaciais.

O que tem de estranho nisso? A primeira reflexão a fazer é que a NASA não está tão preparada para detectar asteróides em rota de colisão com a Terra. E isso soa perigoso, pois se algum desses objetos vier em nossa direção, a população não teria tempo para procurar um abrigo seguro.

         Vocês não acham estranho tantos corpos celestes passarem por aqui em tão pouco tempo? Eu tenho uma teoria para isso.  Esses corpos celestes fazem parte de uma nuvem cósmica carregada de outros bilhões de meteóros iguais aos que temos visto. E de onde vem essa nuvem? Bem, elas costumam acompanhar asteróides gigantes.

         Chego a pensar, então, que tem alguma pedra gigante vindo por aí, e as que temos visto fazem parte da poeira cósmica que  a acompanha nessa viagem intergaláctica. Isso pode servir de aviso às autoridades da Terra para investigarem com detalhes todos os quadrantes da via láctea, na intenção de monitorar tais aproximações. Nem precisa dizer qual seria o resultado delas.

Atualização: ontem, dia 23 de março de 2013, um meteóro foi filmado "passeando" pelo céu da cidade norte-americana de New Port.

Autor: Gesiel Albuquerque

sábado, 16 de fevereiro de 2013

A realidade quântica

Muito se tem ouvido falar sobre realidade quântica, mas pouco se tem observado como estamos embrenhados nesta dimensão. Claro que ela não é apenas o que os teóricos descrevem. Há muito o que se aprender sobre os mundos energéticos de onde saímos e como transformamos os eventos através deles.

A realidade quântica é compreendida por universos paralelos dos quais viemos e para os quais voltaremos assim que deixarmos definitivamente o corpo físico. O que poucas pessoas sabem é que o nosso mundo físico é um arremedo do que existe nas dimensões paralelas chamadas de realidade quântica.

Sempre que dormimos, saímos do corpo e já nos imergimos diretamente neste universo etéreo atemporal, no qual as forças do pensamento e das emoções são as poderosas ferramentas de construção e destruição (sob um ponto de vista específico) de projetos, demandas, seres, civilizações e outros.

Tudo o que acontece em nossa 3D é o reflexo atrasado do que já aconteceu, ou está acontecendo, nas dimensões paralelas. Por exemplo, grandes realizações ou tragédias, encontros e desencontros, acertos e desacertos, os quais são considerados obra do acaso, já aconteceram antes. Por isso, tanta gente tem a tão conhecida sensação de déjà vu quando sentem que já vivenciaram determinado fato que se apresenta como novidade: um encontro, um lugar, um evento, etc.

Nas dimensões astrais, as influências energéticas são mais intensas do que se imagina. Tudo é potencializado porque não há barreiras vibracionais densas como os da realidade física a que estamos submetidos. Dessa forma, o pensamento, alimentado pela vontade, se torna mais poderoso do que o normal. Assim, o bem e o mal (em nossa concepção) se tornam mais intensos e evidenciam o lado a que cada trabalhador pertence.

O desejo de realizar algo em favor, ou contra alguém, faz do pensamento, manipulado por habilidosas técnicas hipnóticas, uma arma quase invencível contra os mais fracos ou ingênuos. Até os fortes caem, inclusive os magos negros alojados nas dimensões escondidas. Estes, por sinal, são muito visados porque possuem milhares de inimigos. Eles vivem da hipnose e têm pavor de serem hipnotizados, pois sabem que todo o poder está na mente. Muitos deles nunca dormem e se protegem com amuletos encantados e cristais materizalizados.

Como eu disse, tudo fica mais forte e mais intenso. Numa representação matemática, poderíamos dizer que a força das mentes no mundo astral se processa através da seguinte equação matricial: D + E = H, com H de ordem m x n ↔ d11 + e11 = h11.(Desejo + Energia = Hipnose).



Somos, de fato, o que fazemos ou sofremos na realidade quântica. Em sendo assim, se tivermos de mudar algo temos que primeiro mudar o que ocorre por lá. A coisa não é tão fácil assim, mas é passível de acontecer. Um bom começo é desejar veementemente o objeto da sua transformação. Ou seja, querer intensamente conseguir algo, de preferência, sem agredir as outras consciências envolvidas, para não gerar compromissos graves com pessoas, lugares e situações. Volto a dizer, a coisa não é tão simples quanto parece.

O Criador nos deu um poder fantástico de transformar o nosso mundo físico. E tudo começa com a vontade. Observe que, ao desejar alguma coisa, você vai plasma inconscientemente na realidade quântica à qual está conectado, todas as intenções, formas, volumes, densidade e a massa do objeto do seu desejo. É assim que surgem obras gigantes e quase inacreditáveis (aviões, arranha-céus, mega-navios, cidades inteiras, etc.). É dessa forma que se fortalecem relações amorosas ou odiosas; e também o mundo se transforma num lugar melhor ou pior, para uns ou para todos.

Somos seres astrais vivendo uma experiência carnal. O nosso animus é chamado de consciência que carrega todas as vontades, desejos e conexões com as nossas bases criadoras. Não é difícil depreender, portanto, que nossa arquitetura mental e emocional se projeta primeiramente em nosso universo quântico. Isto é, o que está dentro de nós.


Autor: Gesiel Albuquerque

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Ação e Omissão, do ponto de vista espiritual.

Muita gente pensa que os resultados dos erros ou acertos em nossas vidas é proveniente apenas das atitudes de cada um. É fácil ouvir pessoas alertando a outras que o sofrimento é resultado de suas ações. É algo parecido com a ideia do karma, tão propagada por alguns meios espiritualistas.

O que poucas pessoas se dão conta é que a omissão é tão importante quanto a ação. Ou seja, em muitos casos, o fato de se omitir perante uma determinada situação gera efeitos tão desastrosos quanto a própria condição de fazer algo. Às vezes, quem se omite é muito mais culpado do que quem faz. E a isso, pouca gente dá atenção.

Suponha o seguinte: um indivíduo é contratado para matar alguém e sai à sua procura. Lá pelas tantas, consegue achar a pessoa e inicia a sua tentativa. Um policial que faz um lanche perto dali, observa o sujeito agindo de forma estranha e percebe que ele vai atacar alguém. No entanto, resolve continuar comendo e a jogar conversa fora com o dono da lanchonete. O matador então consegue realizar o seu objetivo.

Pergunta-se: o policial matou alguém? Não. Ele é culpado pela morte ocorrida? Sim. Por quê? Porque ele se omitiu, foi negligente, sem ação.

Essa é uma demonstração muito banal da realidade dos fatos. Milhares de outras situações podem servir de exemplo. A intenção é apenas a de mostrar que a omissão é tão perigosa quanto a ação. Aliás, do ponto de vista legal, a omissão é crime.

Portanto, não pensem que, tendo conhecimento de uma situação em que poderiam intervir, estariam livres da culpa, pois isso não é verdade. Quem não age, devendo ter agido, se responsabiliza tanto quanto quem agiu. Isso se aplica às questões espirituais. No obra da criação ninguém está isento. Ninguém. Lembrem-se disso.

Autor: Gesiel Albuquerque

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Cientistas identificam possibilidade de haver planeta semelhante à Terra

A astrônoma Courtney Dressing, da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, disse que há um planeta com condições semelhantes às da Terra há 13 anos-luz de distância. A conclusão faz parte de um estudo divulgado hoje (7) e mostra que há possibilidade de haver 'outra Terra' no sistema solar. Até então, os cientistas acreditavam que os planetas potencialmente habitáveis poderiam estar a distância entre 300 e 600 anos-luz.

Pensávamos que teríamos de procurar distâncias vastas para encontrar um planeta como a Terra. Agora percebemos que outra Terra está provavelmente no nosso próprio quintal', disse a pesquisadora.

Os cálculos foram feitos utilizando o telescópio norte-americano Kepler, partindo da premissa de que as estrelas denominadas gigantes vermelhas (red dwarves, em inglês) podem ter planetas habitáveis em suas órbitas, uma vez que são estrelas comuns, menores e menos quentes do que o Sol.

A partir da análise de 75 bilhões de gigantes vermelhas existentes na galáxia, os autores do estudo chegaram à estimativa de que cerca de 6% dessas estrelas devem ter um planeta semelhante à Terra e que o mais próximo pode estar a apenas 13 anos-luz de distância.

Essa taxa implica que vai ser significativamente mais fácil do que pensávamos antes procurar vida na área do sistema solar', disse o co-utor da pesquisa, David Charbonneau.

 

Edição: Graça Adjuto

Autoria: Agência Brasil

Com informações da agência pública de notícias de Portugal, Lusa.

Todos os direitos reservados.

 

sábado, 2 de fevereiro de 2013

Os aliens estão aqui.

Às vezes acho graça das respostas pueris de pessoas respeitadas no mundo das ciências, quando questionadas sobre a existência de extraterrestres. Assim que surge algum evento estranho como a visualização de uma nave espacial ou o contato com criaturas não humanas, vem à cena um exército de pessoas dispostas a “desmistificar“ o fato e a “desfazer” o engano.

Enquanto muita gente séria e outras à toa estão preocupadas com o aparecimento de homenzinhos verdes, os extraterrestres agem livremente em todos os cantos do planeta dentro do corpo dos humanos. É isso mesmo. Existe uma infinidade de pessoas carregando (acopladas ao seu espírito) dentro dos seus corpos físicos, entidades de galáxias muito distantes e diferentes da nossa.

Trata-se de algo um pouco complexo de explicar, mas buscarei fazê-lo de maneira simples para que você faça uma ideia do processo. A situação é a seguinte: entre nós existem Ets encarnados e outros vivendo nos corpos astrais dos humanos. Entende?

Os Ets encarnados já nascem vinculados aos corpos físicos e desempenham sua missão normalmente, como se humanos fossem. Do ponto de vista biológico, eles são humanos. Mas, do ponto de vista da individualidade, são alienígenas; pois trazem experiências, lembranças e objetivos oriundos dos lugares onde foram criados. 

Sob esse ponto de vista, todos seríamos alienígenas, já que antes da Terra, tivemos experiências em outros planetas. Entretanto, os aliens aos quais me refiro vêm pra cá (nascem aqui) com um propósito definido pelos seus líderes. Normalmente, o objetivo deles é estudar a nossa raça, nossa cultura, hábitos, genética e tudo que se refere ao meio ambiente.

Já os que vivem acoplados, costumam ser colocados por cientistas no corpo astral das pessoas, no período da a infância, a fim de que cresçam juntamente com o seu hospedeiro e assimile todas as suas características. Ou seja, qualidades e defeitos. 

Há na Terra Ets pertencentes a várias raças estelares e a vários mundos. Por alguma razão que desconheço, esses aliens decidiram viver entre nós e usufruir da densidade da nossa dimensão. Muitos deles vivem fisicamente no interior de pirâmides disfarçadas de montanhas. Você pode encontrar milhares dessas pirâmides espalhadas pelo Brasil, Suécia, China, Egito, Peru, México, Iuguslávia, etc. Boa parte delas são naves espaciais cravadas no chão e disfarçadas de motanhas.

Em sendo assim, é muito comum encontrarmos Ets de origem aquática, reptiliana, robótica ou insectóide, vivendo como humanos. Eles guardam características inconfundíveis do ponto de vista físico, psicológico e emocional, as quais podem denunciá-los como aliens. Um observador atento poderá detectar tais características.

Envie comentários.

Autor: Gesiel Albuquerque

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Karma é uma palhaçada


Nos últimos 40 anos, tem se difundido no ocidente uma ideia importada do oriente, mais precisamente da Índia, através do budismo, do induísmo e outras religiões, sobre as causas dos sofrimentos humanos. Trata-se do Karma. O lema desse pensamento é enfatizar que, ao sofrermos adversidades na vida, estamos pagando pelos erros/crimes/pecados que cometemos em outras.

Essa ideia também é defendida pelo Espiritismo, religião codificada em 1857 pelo professor francês Allan Kardec. O ponto de vista dessas religiões é o mesmo. Ou seja, tudo o que sofremos é resultado do que fizemos.

O meu ponto de vista sobre o karma é que isso tudo é uma tremenda palhaçada instituída para dar um certo consolo àqueles inconformados com os seus desgostos. Dessa forma, o pobre se sente confortado porque sabe que a sua pobreza é um castigo, o rico entende que já foi pobre e na vida atual é a vez de usufruir; o doente mental, o paralítico e os enfermos perenes também se consolariam com tudo o que passam até o fim, com resignação e paciência.

O que muita gente não percebe é que o karma é uma invenção das forças das trevas para iludir os incautos, limitando-os às barreiras impostas mental ou fisicamente para que não se expandam em luz e força. E para justificar essa manipulação, muitos teóricos do karma invocam a constatação da 3ª lei de Newton sobre a movimentação dos corpos: o princípio da ação e reação. Ou seja, bateu, levou.

Pare pra pensar e veja o seguinte: já que estamos sob o poder da lei do karma, significa dizer que a humanidade deveria estar toda amarrada, porque não se salva um. Todos cometemos, em algum nível e em situações diferentes, atitudes perversas, covardes e hediondas contra pessoas ou lugares. Ninguém nesse universo é santo, ninguém. Muitas vezes, aqueles que mais falam em amor, paz e harmonia são os mais perversos quando têm os seus interesses atingidos.

Outra questão a levantar é a seguinte: se sofremos porque merecemos, quem então tem o merecimento de nos infringir sofrimento? E por que alguns podem fazer outros sofrerem, ao seu bel prazer, sem que nada lhes aconteça? Por que Deus praticaria tal injustiça conosco? Por que seríamos tão burros para escolhermos passar por sofrimentos enquanto os outros, também pecadores, viveriam no bem-bom? Se todos queremos o melhor, por que nessa situação escolheríamos o pior? Faz sentido? 

Veja que, a considerar tal situação, temos o seguinte: fizemos alguém sofrer no passado e agora esse alguém nos faz sofrer no presente. E depois? Esse alguém vai pagar pelos crimes que cometeu contra nós? E quais seriam os limites desse castigo? E será que ele/ela seria santinho ao ponto de merecer castigar sem ser castigado? Ou seja, será que não cometeu crimes contra outros seres? E por ser "limpo" poderia ser perverso? Que justiça divina é essa?

Observe que a justificativa para a existência do karma seria o amor de Deus, o qual daria à humanidade a oportunidade de se redimir dos seus erros. No entanto, ninguém parou para perceber que karma é o exercício disfarçado da vingança. E todos sabem que a vigança é oposta ao amor de Deus. Alguém discorda disso?

Segundo a bíblia, foi Moisés quem instituiu a vingança abertamente, ao pregar: "olho por olho, dente por dente". Jesus veio depois e disse: "retribuir o mal com o bem". Ou seja, não se vingar. Qual é então a justificativa para essa palhaçada chamada karma?

Penso que nenhuma das duas visões está certa. Para mim, o correto é a máxima: o seu direito termina quando começa o meu. Se você não mexe comigo, eu não mexo com você. Pois eu tenho o direito e o dever sagrado de me defender.
Envie comentários.

Autor: Gesiel Albuquerque

 

domingo, 27 de janeiro de 2013

ETs astronautas

Existe uma classe de Ets muito influente em nosso mundo, os quais conseguem acessar as matrizes psicoenergéticas dos seres humanos e dos animais. Parece que têm o mapa genético de cada ser da criação e dessa forma podem manipular todas as forças imanentes em nós com o objetivo de controlar mentes, emoções e sugar energias.

Esses Ets já estiveram fisicamente entre nós. E nessa época, usavam roupas de astronautas, pois seus corpos eram vulneráveis aos elementos físico-químicos do nosso planeta. Tinham a intenção de povoar a Terra e descobrir um jeito de lidar com os gases e éter cósmico dessa dimensão. 

O ambiente da Terra para eles é como o espaço sideral para nós. Ou seja, para irmos ao espaço precisamos usar escafandro (roupa de astronauta) para nos protegermos da radiação espacial. Eles também precisam usar essas roupas quando vêm aqui; ou então seriam destruídos.

Os aliens astronautas mantiveram contato direto com os humanos e transmitiram-lhes conhecimento e tecnologias no campo da construção civil, da saúde, aparelhos antigravitacionais, etc. São frios emocionalmente, calculistas, científicos e perversos.

Na atualidade, os Ets astronautas nos influenciam de forma invisível, a partir das dimensões temporais paralelas à nossa. Não podem ser vistos fisicamente, mas podem ser percebidos nos sonhos de muitos humanos.

Eles costumam flutuar a uma certa altura, observando situações ou pessoas específicas. Costumam também tirar fotos que disparam flashes que funcionam como scanners sobre o espírito em viagem astral. Com isso, eles obtêm todas as informações pretendidas a fim de estabelecer um plano de ataque.

Nos achados arqueológicos não faltam estatuetas e desenhos feitos por humanos que tiveram contato com esses seres. Como eram imaturos, os humanos achavam que esses aliens eram deuses bonzinhos aos quais deveriam obedecer. Em razão disso, entregaram-se de corpo e alma às suas experiências psicológicas e biogenéticas.
Autor: Gesiel Albuquerque

sábado, 26 de janeiro de 2013

Céu e Terra: muitos mistérios.


“Há mais mistérios entre o céu e a Terra do que imagina a nossa vã filosofia”. Quando William Shakespeare pronunciou esse axioma, possivelmente não imaginava que estava a revelar uma profunda verdade a respeito da existência das coisas. Parafraseando-o, digo que há tantos mistérios entre o mundo astral e o mundo físico que jamais imaginamos uma faísca de explicação a respeito.

Atrevo-me a dar pistas sobre alguns mistérios ligados à natureza das coisas, às interrelações humanas e ao sofrimento sobre qual todos reclamam por passar.

Nossa dimensão existencial é chamada de 3D porque as leis que regem a manifestação física de cada criatura, são limitadas aos sentidos físicos. Alguns animais possuem tais sentidos completamente, como é o caso do homem; e outros os possuem muito superficialmente.

Essa barreira vibracional impede o homem de perceber o que está por detrás do véu e o que se encontra do outro lado do muro.

O problema é que não temos acesso ao que está por detrás desse muro, mas quem vive lá tem total acesso às nossas vidas; e pode nos influenciar ou atacar quando quiserem. Talvez seja assim porque o muro deles (conhecimento e tecnologia) é bem mais alto que o nosso.

Existem, por exemplo, nesses mundos uma legião de soldados voltados a fazer o mal contra quem lhes for indicado. Trata-se dos “demolidores”: entidades não-humanas que recebem ordens para destruir vidas, projetos, causas ou sonhos de terceiros, sem o menor remorso ou culpa.

Infelizmente, o alvo desses tenebrosos é o homem, devido à sua fragilidade mental, à baixíssima inteligência emocional e aos compromissos que assume e não cumpre.

Os humanos são vistos pelos alienígenas negativos como animais de laboratório. Assim como consideramos os bichos como seres instintivos e irracionais (e não são), os magos negros também nos veem dessa forma. Portanto, eles não nos respeitam porque nos acham inferiores demais. E, por isso, seus objetivos são apenas de nos escravizar.

Os demolidores são serviçais de magos negros (aliens e cientistas das trevas) provenientes de outros mundos, que executam a destruição das vítimas dos seus chefes. Esses demolidores são adestrados na prática do mal e cumprem a missão com rapidez, eficiência e precisão.

Na Terra, há muita gente influenciada por esses soldados malignos. Basta ver como certas pessoas passam por um verdadeiro processo de destruição em questão de meses. Na maioria dos casos, essas pessoas tinham pactos, acordos e contratos com os magos das trevas, e por alguma razão, passaram a ser desafetos dos seus antigos líderes.
Autor: Gesiel Albuquerque

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Origem da humanidade

O homem perante a sua história

Há muito tempo, os seres humanos buscam explicações sobre a origem da vida. Na tentativa de encontrar respostas para as perguntas “de onde viemos” e “para onde vamos”, ou “o que estamos fazendo aqui”, muitas pessoas fazem as suas interpretações sobre a origem da vida nas experiências em religiões, no esoterismo e mesmo na explicações denominadas científicas.

A ciência nunca conseguiu encontrar uma explicação plausível para a presença do homem sobre a Terra. Na falta de algo mais convincente, resolveu-se instituir que somos fruto de uma explosão atômica denominada “The big bang”, da qual toda a vida, inclusive os planetas foram formados. Essa teoria já se mostrou falha tanto quanto aquela que diz que o homem é a evolução do macaco. O fato é que não se conseguiu explicar com autenticidade o surgimento da criatura humana.

Origem extraterrestre do homem

A Terra é uma espécie de zona neutra onde muitos alienígenas podem residir. O corpo físico abriga entidades conscienciais intergalácticas provenientes de mundos os mais diversos. Dessa forma, vivendo nos corpos humanóides, temos seres oriundos de planetas aquáticos, reptilianos, insectóides ou robóticos. O nosso planeta é um grande laboratório no qual se realizam experiências científicas através da encarnação.

E que experiências científicas são essas?

Bem, aqui vivem raças estelares de todas as características; dentre elas: seres pacíficos, guerreiros, escravos fugitivos, cientistas que destruíram seus sóis, entidades altamente sábias no uso da magia negra e branca, degredados, etc.

Dentre os objetivos científicos estão as pesquisas sobre a regeneração e readaptação dos seus corpos a mundos semelhantes ao nosso, reavaliar a necessidade da presença de seres gananciosos e perversos nesses lugares, melhorar a sua constituição genética a fim de resistirem às intempéries ambientais dessas galáxias, etc.

É como se aqui fosse um depósito no qual são jogadas cobaias de todas as constituições e intenções. Só que quando elas nascem aqui, assumem corpos humanóides. Porém, é perfeitamente possível perceber sua natureza, e até mesmo a sua constituição primária. Isto é, se são de origem insectóide, reptiliana, marinha, draconiana, etc.

E quem trouxe seres alienígenas para cá?

Quando não havia vida humana aqui, extraterrestres vieram com suas naves manipular os elementos físico-químicos que possibilitassem a vida. Muitos desses vistantes antigos usavam escafandros de astronautas, pois a radiação do nosso espaço sideral e os gases da nossa atmosfera podiam, e ainda podem, levá-los à destruição.

É importante frisar, entretanto, que o homem já chegou pronto na Terra. Aquela história de que surgimos do plâncton é uma dedução infantil para explicar o que não se consegue. Os primeiros homens e mulheres já vieram de outros planetas com a formação atual. Assim como os animais selvagens que conhecemos. Não houve, como acreditam alguns, uma geração espontânea. Houve, sim, um povoamento.

As pessoas se inquietam com essas dúvidas porque veem a vida a partir da experiência física, esquecendo-se que são entidades com consciência própria, viajantes de muitos universos e que se encontram, na fase atual, encarnadas nesse planeta, em um corpo humano. Porém, agem, sentem, desejam e possuem lembranças relativas às suas experiências em outros mundos.

Observe a formação da raça humana, com suas línguas diferentes, cultura, hábitos, temperamento, etc, e você entenderá o que estou a dizer. Em muitos planetas, os seres são absolutamente iguais em tudo. Aqui não. Por quê? É só refletir.

 Autor: Gesiel Albuquerque