domingo, 30 de dezembro de 2012

OVÓIDES ASTRAIS

O que são?

Ovóides são ferramentas utilizadas por magos negros habitantes das realidades paralelas que nos cercam. São também fabricados e usados por ETs zetas, os quais costumam agir movidos por duas razões: a primeira, por questões mercenárias. Ou seja, quando são contratados para destruir as vitimas desses magos negros.

A segunda motivação tem a ver com o interesse desses alienígenas em controlar e escravizar mental e emocionalmente os indivíduos. Assim como roubar-lhes as energias paulatinamente até que lhes sobrevenha a morte física ou a sua completa anulação no mundo astral, quando já estão desencarnados.

Os ovóides são mecanismos esféricos imperfeitos dotados de propriedades orgânicas ainda desconhecidas da humanidade, mas  que servem para fazê-los cumprir a programação imposta pelos seus fabricantes.

Ao contrário do que muita gente pensa, os ovóides nem sempre são espíritos endividados que perderam a sua forma perispiritual, como preconizam estudiosos do meio espírita. Quando isso acontece, o processo utilizado sobre os espíritos é a aplicação de poderosa hipnose com lavagem cerebral e implantação de pensamentos de culpa, medo e remorso, aceitos facilmente pelas vitimas.
Como surgem e o que fazem?
 
Na maior parte das vezes, essas ferramentas malignas são produzidas em laboratórios alienígenas, através da manipulação de uma substância gelatinosa, de composição físico-química desconhecida de nós, que quando imantada ao corpo astral dos espíritos, encarnados ou não, desenvolvem uma simbiose através da absorção das energias da própria vitima, criando uma interdependência entre hóspede e hospedeiro. Isto é, com o tempo, o ovóide vai ficando mais dependente da sua vitima, e vice-versa. E controla mais facilmente as suas atitudes, pensamentos e vontades. Tudo isso é controlado externamente por uma inteligência mais avançada: Ets ou magos negros.

Ao longo do tempo, o ovóide desenvolve “tentáculos” que se espalham até os centros de força da alma, os chamados “chacras”. Nesse estágio, ele já está parecido com uma medusa (água-viva) ou com um polvo. A partir daí, o processo já está completamente instalado e todas as informações mnemônicas e orgânico-astrais da vítima são transmitidas para o controlador dessas ferramentas, permitindo que ele a destrua mais rapidamente. Pois nessa condição, há um completo controle da vontade e das emoções do indivíduo dominado.
Quem são as vitimas?
 
Pessoas atacadas por ovóides são geralmente antigos magos negros capturados pelos seus inimigos, também magos negros. Na maior parte das vezes, essas entidades participaram de guerras em seus mundos de origem e incomodaram muitas criaturas poderosas. No entanto, os trabalhadores da luz, ou seja, aqueles que têm a tarefa de libertar os povos, costumam ser alvos de ovóides para que não desenvolvam sua missão. Imagine um ambiente de guerra onde soldados inimigos são capturados, presos e torturados de diversas formas; e você entenderá o que digo.

Meio de libertação:
É muito difícil se libertar de um ovóide. Eu diria que é praticamente impossível. Depende de cirurgia astral, a qual só é realizada quando a vitima merece. Esse merecimento não tem a ver com questões cármicas; mas sim, com o nível de confiabilidade que a equipe socorrista terá em relação ao paciente. Isto é, eles não retiram ovóide de ninguém se percebem que depois de liberto, o indivíduo irá trabalhar contra eles, ou não vai continuar do lado deles como antes, entende? Em muitos casos, não existem cirurgiões capazes de realizar tal procedimento devido à falta de conhecimentos tecnológicos mais avançados.
Sintomas:
 
Pessoas imantadas por ovóides sentem depressão, medo, sensação de vazio na alma, sonhos ruins, acidentes constantes, perdem a força de decidir, sentem-se exauridas, têm tonturas, enjoos e vômitos, dentre outros sintomas. A média de vida para quem está imantado por um ovóide no plano físico é de 5 a 10 anos. Pois é muito díficil suportar a sensação de fraqueza, medo e depressão. Felizmente, na Terra, há poucas pessoas atingidas por essas ferramentas, em relação ao total da população de encarnados. Talvez esse número gire em torno de 5% dos humanos.
 
Autor: Gesiel Albuquerque