Momento poético

Imagem copiada do site: www.brigida.redezero.org


Ser poeta

Para muitos, ser poeta é estar
louco, vadio, sensato ou probo,
é ser irônico, sombrio e demente,
é estar cristalizado, sóbrio ou estorvado,
é ser cínico, pateta, útil e carente.

Poeta, poetisa, obstetra, um esteta,
fagulha, dentadura, que formosura,
fissura, agrura, secura da enchente,
carvão do diamante, negro pingente.

Para alguns, ser poeta é saborear o sal da terra
é ser a ferida cicatrizada do capim,
é extrair a tinta nanquim dos negros papeis,
é ser o alvo predileto dos óbvios quartéis

Para poucos, ser poeta é beber a cachaça
dos ébrios do sereno, é salvar o menino pequeno
do saber escondido. É ser, na verdade,
o antídoto do veneno.

Autor: Gesiel Albuquerque
Registro na Biblioteca Nacional(2005)


Eu quero a simplicidade

Eu quero a simplicidade
Eu quero a simplicidade
A simplicidade eu quero

No olhar, eu quero a simplicidade.
No sorriso, eu quero a simplicidade.

De todos, a simplicidade.
Em mim, a necessidade
de vivenciá-la com bondade.
Eu a vejo no caminho,
Mas não a saúdo sozinho.

No ponto do ônibus, espero
O coração está vazio,
Os pulmões estão cheios
A simplicidade eu quero.

Autor: Gesiel Albuquerque
Registro na Biblioteca Nacional(2005)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Rodrigo Romo é uma farsa

Esclarecimentos enviados por Rodrigo Romo

Anjos, deuses e equívocos