A mente de Deus


Já escrevi sobre as fraquezas humanas e já demonstrei, através delas, um panorama dos  acontecimentos e das conexões alojadas em nossa alma, plenamente manifestas em nosso cotidiano. Não se pode dizer que há um remédio específico para curar os pecados do espírito.

A única ferramenta de suporte para nossa consciência, naqueles momentos em que, levados pelas  energias contrárias, transgredimos a lei divina, é o exercício insistente do autoperdão. Isto é, a prática do jargão popular “levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima”.

Sem se perdoar, o indivíduo não prossegue na sua caminhada espiritual, pois fica travado em situações ou ligado a pessoas e lugares dos quais não consegue se desvencilhar. O autoperdão sincero e verdadeiro é o instrumento poderoso que Deus colocou ao nosso alcance, visando favorecer a nossa compreensão.

Aceitar-se diante dos erros e transgressões mais sérias, e perdoar a si, não significa limpar-se da culpa, mas entendê-la como um processo de aprendizado no qual se percebem as falhas e busca-se corrigi-las para não mais repeti-las.

O mestre dizia: “Vá e não peque novamente”. Dessa forma, é possível lidar com nossos medos e culpas, sem fugir dos compromissos que elas geram perante o universo, a mente de Deus e a nossa própria consciência.

 Autor: Gesiel Albuquerque

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esclarecimentos enviados por Rodrigo Romo

Rodrigo Romo é uma farsa

Anjos, deuses e equívocos