Infraconexões ancestrais

Todos os humanos encarnados neste planeta possuem uma origem que não é o próprio planeta Terra, mas sim, outras civilizações existentes em dimensões e locais bem mais distantes. Muitos dos humanos encarnados aqui foram testemunhas oculares ou até participaram de eventos envolvendo destruição em massa e de guerras nucleares ou similares.

Não é a toa que muitos têm aquela sensação de que este mundo vai acabar ou que algo de muito ruim está para acontecer com o nosso povo. Quando acontece um terremoto em alta escala ou tsunamis, estas pessoas se preocupam ainda mais com uma possível proximidade de outro evento catastrófico.

A Terra sempre foi e continuará a ser um lugar receptivo aos viajantes etelares, os quais chegam aqui por iniciativa própria ou por orientação dos gestores dessa dimensão até o seu nível sétimo. Uma vez encaranados, estas pessoas carregam instaladas em si uma programação específica a fim de lhes direcionar novos rumos nesta nova existência.

Ocorre que muitos se deixam levar pelas suas infraconexões ancestrais e, como numa experiência repetida, se envolvem em fatos negativos para todos. Veja um exemplo. Suponhamos que um determinado ser veio parar aqui na Terra, trazendo consigo toda a sua bagagem de conhecimento e de participação em situações dolorosas. Imaginemos ainda que este ser tenha sido um cientista poderoso em seu planeta de origem, onde ele dominava técnicas de manipulação genética. Será muito difícil que, uma vez encarnado, esse ser não se envolva na área médica do planeta e se devote a pesquisar ou a realizar experiências químicas e biológicas com outros humanos.

A intenção dessas pesquisas será sempre a melhor. Porém, tudo que começa com os melhores dos proprósitos nem sempre acaba com os melhores dos fins. O que eu quero dizer com isso é que muitas pessoas agem "no automático" de forma quase inconsciente em relação aos verdadeiros objetivos da sua ação. O que fala mais alto na verdade são as nossas conexões e matrizes conscienciais.

Quantas vezes você já se perguntou o porquê de ter feito algo quase sem querer. Quantas vezes você não entendeu porque tomou determinada decisão quando poderia ter escolhido agir de outra forma tranquilamente. Resposta para isso: são as nossas essências celulares, amigo.

Quando fomos criados pela mente divina, passamos a pertencer a uma matriz x ou y, as quais guardam e realizam as mesmas coisas de forma diferente. Isto é, as ações são as mesmas, porém os propósitos e mecanismos são aplicados de maneira bem diversa, atendendo sempre ao que está gravado lá no fundo da nossa programação intracelular etérea.

Muitas vezes as pessoas dizem um "sim", sentindo nitidamente um "não". O inverso também é verdadeiro. Isso porque nossas forças se manifestam através do avatar alojado dentro de nós. Portanto, não adiantam os bons modos, a gentileza ou a desfaçatez, porque nossa essência banhará sempre as nossas verdadeiras intenções, sejam elas boas ou ruins. (segundo a compreensão terráquea).

O homem vive em guerra e nem se apercebe disso. Estamos em constante e eterno conflito uns com os outros, tanto no plano físico quanto no plano astral. A tônica da existência é a "guerra" e por causa dela sobrevivemos na criação universal. Esta guerra se processa de várias formas; entre elas estão: ataques aramados, tortura mental e psicológica, controle mental, roubo de energia espiritual através do vampirismo, fofocas, calúnias, intrigas, luta por espaços e posições sociais ou profissionais, etc.

Um observador mais atento perceberá o quanto estamos imersos num universo de atritos (mesmo para os considerados pacíficos) e entenderá a razão disso através do que foi exposto no inicío desse artigo. Somos humanos, mas somos de origens diferentes. Isso quer dizer: planetas e dimensões diferentes. Você acha que se fôssemos iguais em tudo, sentíriamos alguma vontade de atacar o próximo? O que parece ser igual é, na verdade, muito diferente.


Autor: Gesiel Albuquerque

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esclarecimentos enviados por Rodrigo Romo

Rodrigo Romo é uma farsa

Anjos, deuses e equívocos