Me oponho a Drummond

Eu quero compor um soneto mole
                            Como todo poeta ousa escrever
                             Eu quero pintar um soneto claro
                             Molhado, desabafado, fácil de ler

Quero que meu soneto no presente
                             Desperte em todos algum prazer
                             E que, no santo ar imaturo
                             Ao mesmo tempo não saiba ser, ser

                             Esse meu verbo simpático e puro
                             Há de pungir, há de fazer viver
                            Tendão de marte, sobre o enfarte
Todos o lembrarão: tiro no claro
                             Cão urinando no poste,
                             enquanto o futuro Simples enigma,
                             não nos faz surpreender

                            Autor: Gesiel Albuquerque

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esclarecimentos enviados por Rodrigo Romo

Rodrigo Romo é uma farsa

Anjos, deuses e equívocos