Orar e vigiar


Existem organizações gigantescas no mundo astral, formadas por cidades, bairros, ruas, casas e até palácios. A fontes de energia destes lugares são, primordialmente, as forças vitais roubadas das entidades escravizadas mental e emocionalmente, através de programações hipnóticas e de aparelhos instalados em seus corpos.

Nestes regiões, há enormes blocos de cristais, cuja função é armazenar e distribuir toda a energia bioelétrico-magnética para os locais e indivíduos conectados.

A forma como as entidades nos atacam merece ser melhor avaliada e discutida nos meios espiritualistas. Na prática, elas estão com a “faca e o queijo nas mãos”, talvez, nem precisem cortá-lo. E o prejuízo fica para os humanos indefesos, que pensam ter total proteção.

Infelizmente,estamos em desvantagem! Das dimensões e infradimensões paralelas, os magos negros e Ets (principalmente os zetas) podem ter total acesso à energia de qualquer encarnado ou desencarnado pertencente à psicosfera da Terra.

A grande facilidade destes seres de nos roubarem as forças se dá, além de outros fatores, pela sincronização vibracional entre o coeficiente de ajuste temporal e quântico da nossa dimensão astral e estes lugares malignos.

Eles conseguem estudar, com riqueza de detalhes, todas as fraquezas e qualidades das suas vítimas para elaborar um plano milimétrico de controle e roubo de energia. Muitas vezes, esperam algumas vidas para decidirem atacar veementemente as suas presas.

Os referidos seres possuem aparência, na maioria das vezes, considerada normal, para os padrões humanos, mesmo quando alguns assemelham-se a dragões ou insetos. Para o vidente ingênuo, estas criaturas se pareceriam com elementais ou “seres de luz”.

A melhor estratégia para não cairmos facilmente nos seus embustes é cumprir aquela máxima composta por apenas duas palavras: orar e vigiar!

Autor: Gesiel Albuquerque
Foto copiada de: http://www.flickr.com/photos/blackflames/3426805837/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esclarecimentos enviados por Rodrigo Romo

Rodrigo Romo é uma farsa

Anjos, deuses e equívocos