Mais sobre implantes astrais


Entidades e elementais

Apesar de muitos esotéricos não considerarem estes seres como implantes, eu assim os considero, porque estas coisas são coladas, literalmente, (às vezes, parafusadas) nas camadas e subcamadas energéticas do indivíduo.

A função destas criaturas diabólicas é capturar todas as informações emocionais e mentais da pessoa e servirem como "voz da consciência" a comandar as ações do implantado. A vítima "ouve" aquela voz lá no fundo dizendo: faça isso ou aquilo; ou ainda, emitindo opiniões sobre várias situações do cotidiano. Todo o processo ocorre "dentro da cabeça" da pessoa.

Outra coisa tenebrosa destas entidades é gerar estados mórbidos de consciência, causando depressão, medo, insegurança e complexos de inferioridade na pessoa. Causam também imagens distorcidas da realidade, fazendo com que o hospedeiro não consiga enxergar o óbvio das coisas. Por exemplo: uma garota muito magra, quase esquelética, olha-se no espelho e vê-se gorda, comparando-se a uma baleia. Por mais que alguém diga que ela está magérrima, quase doente, esta se enxergará gorda, insuflada.

Estas entidades são de difícil remoção, pois costumam ser afixadas em camadas muito profundas do ser, dificultando a percepção das equipes de ajuda. Em muitos casos, os magos negros e Ets costumam ludibriar as equipes da luz, colocando vários elementais nos corpos astrais da vítima, deixando para as camadas mais profundas a fixação daquelas entidades mais perniciosas. Quando as equipes de ajuda chegam, conseguem tirar apenas as entidades superficialmente colocadas, e vão embora. O indivíduo sente um certo alívio, mas não fica verdadeiramente curado.

Estas entidades costumam provocar desejo de suicídio, fobias diversas e reações extemporâneas. Causam, também, desequilíbrios emocionais e energéticos, o que facilita, enormemente, a colocação de outros implantes tenebrosos, como aparelhos e placas.

Capacetes, coroas e aneis

Estas peças são mais comuns do que parece. Muita gente carrega estes instrumentos em suas cabeças sem sequer desconfiar de tamanha maldade sofrida. Trata-se de implantes eminentemente fabricados por alienígenas de diversas raças; entre elas estão os zetas, os insectóides, os reptilianos e os draconianos.

A função destas peças é maligna ao extremo, porque servem de instrumentos de marcação para os seus implantadores, identificando a criatura implantada como uma "posse" de uma determinada raça de Ets, como acontece com um rebanho bovino marcado a ferro e fogo. Dessa maneira, os outros não se atreverão a mexer com ela.

Este capacetes, coroas e aneis brilham como aqueles brinquedos dos parques de diversão, emitindo luminosidade intermitente e apresentam-se envoltos em vários fios luminosos conectados aos chacras umeral, cardíaco e coronário do indivíduo. Com isso, os Ets podem acompanhar tranquilamente os passos do implantado e estimulá-lo a fazer o que bem quiserem.

Tais artefatos deixam a pessoa engessada emocional e mentalmente, transformando-a num espécie de robô teleguiado. Em alguns casos mais agravados, os implantados andam como zumbis entre nós, com olhar fixo e poucos movimentos fortes.

Servem também para sugar e monitorar o nível de energia do hospedeiro, funcionando como termômetros grudados ao corpo principal. Emitem uma vibração energética muito poderosa, capaz de interferir nas ondas psicomagnéticas do implantado com o objetivo de enfraquecê-lo potencialmente na sua vontade e no seu objetivo de vida.

São implantes colocados através de cirurgias meticulosas, parafusados a algumas partes do cérebro e às têmporas. A sua retirada depende de muita habilidade e técnica apurada por parte dos cirurgiões das hierarquias ascencionadas, e de um complexo sistema de segurança que mantém afastadas, por um tempo, as entidades controladoras daquela vítima. Qualquer deslize pode levar as equipes da luz a sofrerem violentos ataques, e até, aprisionamentos.

Estes objetos são instalados, normalmente, em prisioneiros das guerras entre civilizações, ou em trabalhadores da luz seqüestrados pelos engenheiros malignos, para que não se expandam em suas existências físicas ou não conturbem os projetos destas organizações trevosas no mundo astral. Quem recebe implantes dessa natureza, são considerados extremamente inferiores, merecedores de castigos e humilhações indizíveis pelo conhecimento científico humano.

Clones

Também os considero implantes. Trata-se de entidades construídas a partir da energia da pessoa vítima de ataques mágicos ou de alienígenas, principalmente os zetas. Os clones não são inseridos nos corpos astrais do indivíduo, mas ficam aprisionados em bases secretas localizadas no interior da terra ou em alguns pontos das infradimensões.

De lá, os engenheiros do mal torturam mental e emocionalmente a criatura-clone, a qual transmite, quase imediatamente, todos os efeitos destas torturas à pessoa com a qual mantém vínculo energético. O indivíduo pode possuir diversos clones alojados em estações do mal, trabalhando incessantemente para dominá-lo por completo e destruir todos os seus projetos existenciais, sob o comando de magos e/ou Ets.

Os clones são largamente utilizados pelas entidades malignas do plano astral. É uma forma de controle e ataque muito eficiente porque o agressor não precisa estar perto da vítima, o que impede a sua identificação e combate por parte das hierarquias ascencionadas ou pela polícia cósmica.

É como se o mago tivesse a própria pessoa presa ali, bem perto dele, podendo fazer com ela o que bem quisesse, monitorando todos os seus pensamentos, emoções e sentimentos sem ser detectado por nenhuma força contrária aos seus intentos.

Selos e marcas

Quase todos os humanos carregam algum tipo de selo ou marca gravada em seus corpos fluídicos, principalmente, o corpo astral. Alguns destes selos se parecem com códigos de barras e precisam passar por "leitura ótica" quando os seus portadores adentram espaços reservados aos iniciados e membros. Servem, também, como tatuagens características dos grupos tenebrosos e identifica gangues, quadrilhas, fraternidades, grupos militares, entre outros. Muitos artistas, empresários, líderes e comerciantes bem sucedidos no mundo físico pertencem a estas organizações nas outras dimensões.

As marcas costumam expor símbolos característicos de cada grupo ou facção. Por exemplo, os membros da fraternidade do dragão têm tatuado em seus corpos (geralmente na testa) uma face ou uma pata da família draconiana; e podem apresentar, ainda, gravações de númerais alienígenas desconhecidos de nós. Existem, também, sinais e palavras que funcionam como senhas de acesso aos chefes dos grupos formados por seres demoníacos conhecidos como demolidores ou regentes do mal.

Autor: Gesiel Albuquerque

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esclarecimentos enviados por Rodrigo Romo

Rodrigo Romo é uma farsa

Anjos, deuses e equívocos